Depois da geringonça, a bagunça

Encontram-se quatro ministros da Defesa num bar, um israelita, um alemão, um francês e um português. "Os meus soldados andavam insatisfeitos, demiti-me", diz Mosche Jaalon. "Eu demiti-me porque descobriram que copiei umas páginas da minha tese de doutoramento", diz Karl-Theodor Guttenberg. "E eu, porque o meu partido utilizou mal verbas europeias", acrescenta Sylvie Goulard. O ministro português desta anedota, a quem acabaram de roubar material de guerra que dá para mandar a Baixa de Lisboa pelos ares, olha à volta para os seus homólogos com um sorriso chico-esperto: "Pois eu disse que assumia a responsabilidade política mas não me demito."

As demissões de Guttenberg, Jaalon e Goulard aconteceram na realidade.

A primeira há seis anos, a segunda em maio do ano passado, a terceira agora em junho. E a do ministro português também ainda deverá ter lugar, caso contrário o próprio governo corre o risco de se tornar uma anedota, num registo humorístico entre o mórbido e o trágico.

"Demitir-me? Não percebo nada de incêndios e estava de fim de semana". "Sim, até estava no Banco de Portugal, mas estava a olhar para o lado quando esses bancos foram à falência". "Submarinos? Este dinheiro ganhei-o com o meu suor, todas as cinco malas mais as três contas nas ilhas Cayman". Enfim, seria entediante continuar com este tipo de piadas de mau gosto.

"Sacudir a água do capote", deixar os outros "pagar as favas" e a "culpa morrer solteira" enquanto nos convencemos de que não vale a pena porque "quem se lixa é sempre o mexilhão" são só quatro de uma extenuante lista de estratégias muito portuguesas que passam sobretudo por se ficar onde está e fazer pouco ou nada. No melhor dos casos, "mudam as moscas". É o sistema vigente na chocante falta de ordenamento do território, no incompreensível desmazelo das Forças Armadas ou no obsoleto aparelho judicial, para ficar pela rama.

Vistos de fora, os portugueses tendem a sair melhor na fotografia - são considerados fatalistas. Entregues ao seu destino. Pouco reativos. Isso, como português que sou, do lado da minha mãe, ofende-me bastante. Mas aceito. É mesmo assim. Não vale a pena fazer nada. Já gastámos as nossas energias a navegar os mares, a repelir as invasões espanholas e francesas e a reembolsar créditos à banca alemã. A genica não dá para tudo. "Eles" que resolvam o assunto e "eles", já se sabe, são todos iguais, porque "eles" vão todos ao mesmo.

E quem tem a culpa? São "eles", lá em cima. E "eles" têm de facto a culpa. Porque deviam dar o exemplo e não dão. Se o poder fosse um barco a afundar-se e os ministros fossem ratos, agarravam-se com garras e dentes aos mastros, às velas, aos cabos e às argolas no convés para ficarem até ao fim. E a meio caminho do fundo já tinham guelras. Vale tudo menos abandonar o poder.

Num país democrático razoavelmente civilizado, a responsabilidade política é de quem segura "a pasta", ou seja, do respetivo ministro.

E é ele, ou ela, que se tem de demitir se algo corre muito mal. Isso não se aplica só quando os governos são da cor política de que não gostamos. Agora, há muita gente que aparentemente só é de esquerda por hábito ou preguiça e, no momento da verdade, só vê a cor da própria camisola e esquece os princípios apregoados.

"Tenho a certeza de que se o ministro não se demite é por estar convicto de que é o melhor para o país", ou "quem se devia demitir é o Presidente da República, afinal, é o chefe supremo das Forças Armadas", são alguns dos argumentos anedóticos que circulam nas redes sociais.

A solução de governo de António Costa, a geringonça, foi uma jogada política brilhante admirada em toda a Europa. Entre outras coisas, prometeu moralizar a vida pública em Portugal. É pena não o estar a conseguir. Falta ser consequente e exigir as demissões da ministra e do ministro: pelas vítimas do incêndio e pelas vítimas do roubo de armas. Se isso não acontecer, as pessoas vão acabar por perceber que tudo foi, afinal, só uma encenação do velho PS, agarrado ao poder contra a mais elementar noção de responsabilidade política e decência.

Mais patético e triste do que isto só mesmo um líder da oposição que julga que ainda é primeiro-ministro. Viver neste país é cada vez mais viver numa república das bananas, o que é justo. Foram os portugueses que começaram a plantar bananas nas Américas e as popularizaram na Europa.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.