A grande arma europeia

Vamos entrar numa semana fundamental para as relações transatlânticas. Depois de a investida na Síria ter recuperado o triângulo euro-atlântico militarmente mais capaz (EUA, Reino Unido, França) - o que não quer dizer que tenham mudado alguma coisa no terreno -, os últimos dias viram a Alemanha distanciar-se das reformas propostas por Macron para a zona euro, ao mesmo tempo que o presidente francês fez passar a ideia numa entrevista televisiva de que estava a influenciar decisões em Washington, nomeadamente a de não retirar o contingente da Síria. Destas posições resultam alguns aspetos a ter em conta nas estratégias de cada um.

Em primeiro lugar, a confirmação de que a administração Trump não tem qualquer estratégia para a Síria, a não ser a de publicamente ir condenando ataques químicos, dar uma ou outra resposta musculada e permanecer irredutível contra o acordo assinado por Obama e pela UE com o Irão, com vista a monitorizarem o seu programa nuclear a troco do alívio das sanções. Nada do que resulta do ataque americano à Síria define qualquer estratégia para o conflito. Quando muito, desvia a atenção das investigações que vão cercando o team Trump.

Em segundo lugar, se o Reino Unido revelou fidelidade à tradição de acompanhar as decisões militares de Washington, dando à senhora May um reforço de autoridade no governo britânico vital à condução dos equilíbrios que ali precisa de fazer sobre o brexit, a França de Macron tem vindo a tentar aproveitar o limbo geopolítico de Londres para ocupar o seu espaço na relação com Washington. Não é uma ambição de seguidismo, e não passará por ser acrítica das iniciativas que Trump vier a tomar, procura sim dizer a Washington que no quadro europeu nem o Reino Unido nem a Alemanha estão em condições de influenciar, nos próximos anos, a segurança continental como Paris.

Por um lado, porque os franceses estão de pedra e cal na génese da cooperação reforçada na defesa europeia e na vanguarda do debate económico do euro, ou seja, estão numa posição de influência que Londres oficialmente recusou com o brexit. O apoio de Macron ao ataque americano na Síria serviu, igualmente, para Paris dizer a Washington que qualquer reforço da defesa continental, como a Iniciativa de Intervenção Europeia, não explorará nenhuma divisão transatlântica nem será feito à custa do esvaziamento da NATO. Mesmo não sendo esta importante para Trump, é-o para a maioria dos republicanos e democratas.

Por outro lado, porque a Alemanha continua mestre da dialética em segurança internacional, preferindo a palavra de apoio ao compromisso militar efetivo, o que não oferece nenhuma garantia a Washington ou a qualquer país do centro e leste europeu a braços com a ameaça russa. O facto de Merkel ter nesta semana tornado públicas as suas dúvidas sobre a ambição de Paris para as reformas do euro também sinaliza à Casa Branca que a Alemanha não tem o mesmo compromisso para robustecer a moeda única antes da próxima crise. Aliás, por cada manifestação alemã de descrença com o roteiro Macron surge uma pseudo terceira via encabeçada pelo primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, com vista a levar vários países do Norte atrás da inflexibilidade alemã sem, no entanto, expor Berlim a essa iniciativa.

Para Trump, isto é importante, pois na sua habitual lógica de negociação (vencedor/perdedor), todas as brechas europeias são dignas de intromissão. Um presidente americano que felicita o brexit e visita os nacionalistas polacos antes de ir a Berlim não quer a coesão europeia nem uma integração que previna novas crises. É neste quadro que Macron e Merkel vão até à Casa Branca, nesta semana que começa, com dois dias de intervalo.

Mas, ao contrário do que a semana da ressaca à intervenção na Síria parecia supor, não é o plano da segurança transatlântica que mais poderá dominar as reuniões em Washington. Na minha leitura, o comércio internacional será o principal tópico da agenda, numa fase de ameaças sobre tarifas às importações nos EUA e contrarrespostas em Pequim e Bruxelas, numa complexa nuvem de argumentos estridentes que baralham os reais efeitos nas respetivas economias. No entanto, existem dois bons exemplos recentes que mostram a fragilidade do carácter negocial de Trump e ilustram os méritos da UE para moldar a economia internacional. Em ambos, Paris e Berlim estão alinhados e é preciso que assim se mantenham.

Um deles passou pelo recuo de Trump ao ver o Tratado Transpacífico assinado por todos os países que recusaram ficar parados depois desta administração se ter desvinculado do acordo negociado por Obama. O sinal que Trump deu foi de equacionar reentrar, o que prova quão ilusória é a sua força negocial. O outro deu-se com o impulso na agenda comercial da Comissão Europeia que, sob a batuta da senhora Malmstrom, deu nesta semana importantes passos nos acordos de livre comércio tão malfadados por Trump. Bruxelas seguiu em frente depois de falhado o TTIP e assinou nesta semana que passou os maiores acordos comerciais de sempre com o Japão e Singapura, além de ter realizado nova ronda negocial com a Índia, outra com a China para um acordo de investimento, outra ainda com o México para melhorar o existente, tendo no ano passado fechado com o Canadá e mantendo no carril certo um outro com o Mercosul. É expondo o isolamento e as perdas americanas neste roteiro de acordos comerciais que se forçará Trump a ceder. Ainda vamos ver a administração americana assumir que o TTIP é aquilo que a América precisa.

A política comercial europeia é a grande arma geopolítica da União no atual contexto transatlântico. Macron e Merkel, não se desalinhem aqui, por favor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.