Veio o lagostim e comeu o peixe, veio a cegonha e comeu o lagostim

Uma pessoa vai na autoestrada e lá estão elas ao fundo, ao alto, a voar naquela dança elegante que parece rápida e lenta ao mesmo tempo. São às dezenas, mais à frente penso que são às centenas, e talvez estejam a acompanhar as crias nos primeiros voos. São as cegonhas-brancas, a encher os céus da primavera no Baixo Mondego, sobrevoando os arrozais onde se alimentam.

No Alentejo, dias antes, tinha-as visto ainda concentradas nos ninhos. Talvez as crias ainda estivessem aconchegadas no quente da mãe, naqueles cestos intrincados que enfeitam - às dezenas, às centenas - os postes de alta tensão. Via-se uma ou outra a voar, provavelmente machos em busca de alimentos.

Tão bonito tudo isto, não é? Esta é provavelmente uma das aves mais estudadas, a população e suas migrações estão contabilizadas. E dizem-me que muitas deixaram de migrar até África e se fixaram nas nossas terras. Porquê?

Li vários estudos e concluí, talvez apressadamente e sem qualquer preparação científica - perdoem-me os biólogos se escrever disparate -, que há pelo menos duas razões: os aterros sanitários a céu aberto e os lagostins vermelhos. Duas razões paradoxais, se pensarmos que um aterro a céu aberto, com os seus lixos de vísceras de animais saídas dos matadouros e petiscos afins, é uma cobiçadíssima fonte de alimentação, e que a praga dos lagostins vermelhos tem, quem o diria, uma utilidade. Foi bastante alarmante a invasão deste lagostim-vermelho-da-luisiana, o Procambarus clarkii, na Península Ibérica, dada a rapidíssima proliferação. Rapidamente tomaram conta dos ecossistemas onde se instalaram e deram cabo de outras espécies, quer os seus primos lagostins de outras origens quer peixes e plantas. Até que as cegonhas os descobriram, mais nutritivos do que as minhocas e outros animaizinhos. Desconheço se as cegonhas têm apetite suficiente para equilibrar as coisas, mas imagino-as a picar certeiras até uma albufeira, uma charca, um qualquer ponto com água doce, e aí apanhar sem compaixão os crustáceos desprevenidos e incapazes de voar.

Segundo o recenseamento feito em 2014, foram identificados 11 690 ninhos ocupados de cegonha-branca, a Ciconia ciconia, cerca de nove mil dos quais nos distritos de Beja, Évora, Setúbal, Santarém e Portalegre. Sobre os lagostins-vermelhos há de haver contabilidades, mas não as encontrei, só estudos e preocupações. Então se as cegonhas-brancas, aqueles belos animais que tanto alimentaram - metaforicamente, que também é alimento e do mais digno e relevante - a imaginação e mesmo os mitos humanos, ajudam a combater a praga, uma pessoa fica a gostar ainda mais da ciconia ciconia.

São assim os ciclos da natureza. Espécies que surgem inesperadamente, por acaso ou erro humano, e desatam a fazer estragos, e depois outras que vêm a seguir e, mmm, se deliciam com elas, sequências de cadeias alimentares que por vezes estabelecem equilíbrios, outras vezes, desgraçadamente, causam catástrofes.

Podia fazer aqui analogias e a primeira que me ocorre está bem à vista pelas cidades portuguesas. De como a chegada massiva de turistas tem sido uma excelente ajuda para sair da famosíssima crise, e de como transporta e instala uma catrefa de efeitos secundários altamente penalizadores. Para quem quer simplesmente morar em Lisboa ou no Porto - ou mesmo nos arredores, desde logo.

Morei em Alfama quando ainda não era moda, vá lá, quando começava a ser moda. Já não era muito simpático sair de casa de manhãzinha e deparar com um grupo de japoneses fotografando os autóctones (incluindo-me e aos meus filhos de bibe e mochila). Mas ainda assim assisti a belas discussões de janela para janela, com linguagem vernácula que aliás assentava muito bem à paisagem humana, e depois até estive envolvida nas marchas populares e nas disputas bairristas. Era simpático e desconfortável, ao mesmo tempo, saber que todos os vizinhos sabiam (quase) tudo da minha vida e que me ajudavam no que fosse preciso. Mas dificilmente imagino franceses, brasileiros, chineses, a desfilar na Avenida da Liberdade ou a assar sardinhas nas travessas e becos. E agora?

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?