A paz e a leviandade

As relações entre a Presidência dos EUA e as duas Coreias, infelizmente, não obstante a alta importância dos titulares do poder político envolvido, recordam inevitavelmente a observação que se atribui a Bismark de que uma pequena leviandade pode desencadear grandes catástrofes, designadamente de confronto militar entre as potências. Não são de omitir as mensagens de homens como o Abbé de Saint- Pierre (1713), ou a famosa meditação de Kant na sua famosa Paz Perpétua de 1795, para não confundir o objetivo que se propunham com a chamada "pax romana", ou "pax britânica", ou ainda "pax russa", porque estas se referem a realidades imperiais, e portanto se referem mais a uma forma de "ordem internacional" imposta do que a palavra paz exprime. Como nestas hierarquias é uma questão de interesses, em geral extrativos, que traduz o princípio da organização que a expressão deturpadamente exprime, a ideia de "coexistência pacífica" que foi usada no fim da Primeira Guerra Mundial para referir a desejada coexistência entre o então secularmente imposto regime russo e os Estados seus vizinhos, e de novo foi usada em várias outras circunstâncias, de regra não encontrou acatamento suficiente para evitar mais de um dos conflitos que foram acontecendo, incluindo a Segunda Guerra Mundial. Talvez hoje o significado mais genuíno que se lhe deve dar seja o de eliminar a violência, que não é necessariamente militar, porque há formas intermédias que por vezes induzem a evitar o pior. Esse parece o melhor e mais abrangente sentido para as iniciativas a favor da paz, como a que recentemente teve lugar na sala das sessões da Assembleia da República, levada a cabo pela Universal Peace Federation, tratando das "Perspetivas para a Paz Sustentável na Europa e no Mundo: a Responsabilidade dos Parlamentares". Também é o sentido profundo da Mensagem do Papa Francisco de 1 de Janeiro de 2017 no 50.º Dia Mundial da Paz, quando disse que "a violência não é o remédio para o nosso mundo dilacerado. Responder à violência com violência leva, na melhor das hipóteses, a migrações forçadas e a atrozes sofrimentos, porque grandes quantidades de recursos são destinados a fins militares e subtraídos às exigência do dia-a-dia das jovens famílias em dificuldades, dos idosos, dos doentes, da grande maioria dos habitantes da terra. No pior dos casos, pode levar à morte física e espiritual de muitos, senão mesmo de todos". A leviandade das palavras, em que o atual conflito se mostra orientado para ser o caminho habitual, também corre sem pensar na eventual violência que produzirá, porque há valores, ainda quando apenas nacionais, nem sequer ideológicos, que não se conservam sempre tranquilos. É um cuidado que a considerada patriótica inovação da America First não parece tomar em consideração. Tem de salientar-se que a inquietação pela paz não é apenas ocidental, mesmo nos sentidos mais rigorosos da violência militar, e, como exemplo, são de meditar comentários de Sua Santidade o Dalai Lama, que tive a honra de apresentar, faz anos, na Reitoria da Universidade de Lisboa, e que, depois dos largos anos sobre a violência que o expulsou do seu país que é o Tibete, declara não ter inimigos, e depois de chamar a atenção para a educação, respeito, tolerância, dedicação e não violência, que faltaram no ataque à sua comunidade, fez todavia esta advertência ao Presidente dos EUA: "O futuro da América depende da Europa e o futuro da Europa depende dos países asiáticos. A nossa realidade é que dependemos uns dos outros. Os Estados Unidos são uma nação de pessoas no mundo livre. Por essa razão, o presidente dos EUA deveria pensar mais nas questões a um nível mundial, os EUA continuam a ser muito poderosos... Com essa preponderância, os EUA deveriam colaborar mais estreitamente com a Europa." Não se trata de ocidentais, de atlânticos, de democratas, de cristãos, trata-se de "um apelo ao mundo", ao qual, dessa parte do mundo que foi largamente subordinada à ordem dos ocidentais, vem este apelo para "o Caminho da Paz em Tempos de Discórdia". Com esperança de ser entendido a tempo. A ONU é hoje desafiada pela expressão de algumas vozes que falam na necessidade de recriar uma "ONU da Paz", o que parece cada vez mais exigente de vozes concordantes no sentido de evitar mais um desastre mundial. A perigosa fragilidade demonstrada pela arena mundial a que conduziu o globalismo sem governança, tornou-se alarmante com o facto de o gesto de um só homem ter agravado o destino da cidade santa. O Conselho de Segurança não deu mostras de se sentir atingido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.