Um governo em falha técnica

Não chega continuar a tentar esclarecer mortes, é preciso evitá-las. Não chega apregoar consternação e pesar pelas vítimas à porta do sítio da moda por estes dias em Lisboa. Não serve. António Costa não pode declarar a dor à entrada da Web Summit, onde vai estar minutos depois em registo de governante-bué-entusiasmado-com-novidades-bué-de-fixes, e enviar para uma declaração de circunstância um ministro que se limita a falar de uma "falha técnica" e prometer o proverbial inquérito. Parece inteligência artificial, mas não é. É apenas o governo a ser governo, o braço executivo a limitar-se a ser... executivo. Não chega.

À hora a que escrevo há 35 pessoas infetadas - cinco ainda nos cuidados intensivos - e dois mortos, num hospital do SNS. Como se tudo isto não fosse suficiente, e estamos a falar de cidadãos que foram procurar tratamento de rotina num hospital público e acabaram infetados com uma bactéria potencialmente mortal, o Ministério Público decidiu pedir à PSP que "levantasse" os corpos dos velórios para autópsia. A meio da noite, com as famílias já a lidar com o luto. Não consigo imaginar o que terão sentido essas famílias. Os senhores do MP não conseguiram antecipar que seria preciso um inquérito, que seria necessário tentar perceber ao certo como morreram aquelas pessoas? Tiveram de esperar pelo início dos velórios?

Estamos entretanto descansados porque o ministro da Saúde já garantiu que vai "densificar a malha inspetiva" e "criar um quadro sancionatório mais agravado" quanto aos mecanismos de controlo da qualidade do ar nas unidades de saúde públicas. E não foi, neste caso, diz o ministro, um problema de falta de investimento. Os equipamentos eram recentes. Ficamos muito mais descansados. Quer dizer, portanto, que estive com o meu filho há dias num grande hospital público de Lisboa e a "malha inspetiva" não estava devidamente intensificada e o "quadro sancionatório" era levezinho? É sempre bom de ver que o governo mantém a coerência do discurso tecnocrático quando ele é menos tolerável - no momento do confronto com a dor da perda, com a morte.

Mais uma vez, tal como no rescaldo do braseiro de junho e outubro, não se espantem se encontrarem o Presidente da República por aí, a preencher vazios políticos, a soltar afetos e a fazer as perguntas certas, enquanto os "executivos" se enredam numa teia discursiva incompreensível e inaceitável perante algo com que aparentemente não sabem lidar - a morte. Já agora, não teria ficado mal ao PSD esperar um pouco antes de cavalgar o momento. Mais do que nos incêndios, falar de falhanço do Estado à porta de um hospital, já com duas mortes confirmadas, não só é aproveitamento político como causa alarme nas populações que mais podem precisar daquele serviço público. Era de evitar.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?