Um governo em falha técnica

Não chega continuar a tentar esclarecer mortes, é preciso evitá-las. Não chega apregoar consternação e pesar pelas vítimas à porta do sítio da moda por estes dias em Lisboa. Não serve. António Costa não pode declarar a dor à entrada da Web Summit, onde vai estar minutos depois em registo de governante-bué-entusiasmado-com-novidades-bué-de-fixes, e enviar para uma declaração de circunstância um ministro que se limita a falar de uma "falha técnica" e prometer o proverbial inquérito. Parece inteligência artificial, mas não é. É apenas o governo a ser governo, o braço executivo a limitar-se a ser... executivo. Não chega.

À hora a que escrevo há 35 pessoas infetadas - cinco ainda nos cuidados intensivos - e dois mortos, num hospital do SNS. Como se tudo isto não fosse suficiente, e estamos a falar de cidadãos que foram procurar tratamento de rotina num hospital público e acabaram infetados com uma bactéria potencialmente mortal, o Ministério Público decidiu pedir à PSP que "levantasse" os corpos dos velórios para autópsia. A meio da noite, com as famílias já a lidar com o luto. Não consigo imaginar o que terão sentido essas famílias. Os senhores do MP não conseguiram antecipar que seria preciso um inquérito, que seria necessário tentar perceber ao certo como morreram aquelas pessoas? Tiveram de esperar pelo início dos velórios?

Estamos entretanto descansados porque o ministro da Saúde já garantiu que vai "densificar a malha inspetiva" e "criar um quadro sancionatório mais agravado" quanto aos mecanismos de controlo da qualidade do ar nas unidades de saúde públicas. E não foi, neste caso, diz o ministro, um problema de falta de investimento. Os equipamentos eram recentes. Ficamos muito mais descansados. Quer dizer, portanto, que estive com o meu filho há dias num grande hospital público de Lisboa e a "malha inspetiva" não estava devidamente intensificada e o "quadro sancionatório" era levezinho? É sempre bom de ver que o governo mantém a coerência do discurso tecnocrático quando ele é menos tolerável - no momento do confronto com a dor da perda, com a morte.

Mais uma vez, tal como no rescaldo do braseiro de junho e outubro, não se espantem se encontrarem o Presidente da República por aí, a preencher vazios políticos, a soltar afetos e a fazer as perguntas certas, enquanto os "executivos" se enredam numa teia discursiva incompreensível e inaceitável perante algo com que aparentemente não sabem lidar - a morte. Já agora, não teria ficado mal ao PSD esperar um pouco antes de cavalgar o momento. Mais do que nos incêndios, falar de falhanço do Estado à porta de um hospital, já com duas mortes confirmadas, não só é aproveitamento político como causa alarme nas populações que mais podem precisar daquele serviço público. Era de evitar.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.