O que são os G7?

A comunicação social tem repetido que os G7 são os países com as sete maiores economias do mundo. Mas quais são os países que fazem parte deste grupo? Os Estados Unidos, a Alemanha, a França, o Canadá, a Itália, o Japão e o Reino Unido. É um grupo pequeno e coeso que reúne sob a liderança indisputada dos Estados Unidos que impõe um estratégia única para as questões económicas, políticas e militares destas potências. Faz sentido as maiores economias concertarem-se para enfrentar as crises de alcance internacional.

Mas se pensarmos um minuto, talvez menos ainda, ocorre-nos uma ideia. Este grupo não é o que diz ser. Estas não são as sete maiores economias do mundo! Pelo critério do PIB a Itália, o Canada estão fora das sete primeiras. E duas das grandes economias mundiais não estão presentes: a China, a segunda maior economia do mundo, e a Índia a sexta à frente da França. Então este não foi o critério.

Se em vez do critério do PIB considerarmos o critério do PIB per capita então os sete primeiros seriam muito diferentes. O Qatar seria o primeiro e nenhum dos países do G7 surgiria na lista. Este também não é o critério.

Diz-se também que o G7 são os países mais industrializados, mas este critério também não permite chegar à configuração deste grupo de países, já que o país mais industrializado é a China e a Índia e a Coreia do Sul também deviam estar representados enquanto a Itália, o Reino Unido e o Canadá não deviam ter assento.

Os G7 não são, assim, o que alguma comunicação social nos informa. Esta comunicação social em vez de repetir todas as narrativas que lhe são vendidas, mesmo as mais absurdas, como esta, faria melhor em pensar primeiro antes de repetir.

O que são então os G7? Um grupo de países liderado pelos Estados Unidos que domina o mundo, estabelecendo regras e políticas internacionais que os beneficiem em detrimento de outros países. Um grupo de países ocidentais, que é outra forma de dizer democracias capitalistas, de maioria branca e pertencentes à Nato (o Japão é uma exceção neste grupo).

Por outro lado os G7 foram uma forma de consertar políticas entre estes países. Mas com o declínio da Europa e a sua perda de autonomia estratégica esse papel desapareceu e os Estados Unidos reforçaram de tal forma a sua liderança que se limitam a impor o seu ponto de vista, que logo é aprovado por unanimidade.

Já foi um grupo todo-poderoso mas hoje o mundo ruma a um sistema multipolar com a ascensão de potências como a Rússia, a Índia, a China e o Brasil, pelo que a sua influência diminuiu muito. Nesse contexto os G7 já não são ... o que foram no passado não muito longínquo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG