A melhor "cãopanhia"

Atualmente, quem nunca pensou em ter um animal de estimação faz parte de uma minoria. Em Portugal, mais de 50% das famílias têm um ou mais animais de estimação. Entre cães ou gatos, pássaros ou peixes, os agregados familiares portugueses aumentaram por conta das inúmeras espécies que hoje são parte integrante da família.

Percebendo a necessidade em regular o relacionamento entre humanos e animais de estimação, o legislador tem vindo a introduzir alterações legislativas no sentido de garantir mais direitos básicos a estes amiguinhos.

De igual modo, a nível local, as autarquias têm reforçado as suas responsabilidades e competências nesta matéria. Essas afiguram-se, por exemplo, ao nível das provedorias dos animais, que asseguram mais serviços e direitos aos que deles necessitam.

Estas alterações são substanciais, mas talvez ainda não sejam suficientes. Na semana passada ficaram famosas, pela pior razão, as imagens de um homem que agredia violentamente o seu cão. Mesmo com o aumento significativo da intervenção das autoridades no que ao crime contra animais diz respeito, há um caminho longo a ser percorrido.

O planeamento deve fazer parte da decisão que leva a ter um animal de estimação. O mesmo representa mais um elemento no agregado familiar, logo mais uma boca para alimentar, tratar e cuidar. Para além do tempo, tudo isto significa um valor a acrescer ao orçamento mensal.

E se é verdade que se têm dado passos relevantes na defesa dos direitos dos animais, não o é menos que nas alturas difíceis, como situações de dificuldade financeira, muitos destes amigos são abandonados sem dó nem piedade.

Esta época do ano pode ser fria e chuvosa, mas é simultaneamente de apelo ao sentimento e calor humano. Portanto, deve ser motivo para abrir a porta de casa aos amigos de quatro (ou duas) patas. Eles também merecem aconchego e ser encarados verdadeiramente como animais de companhia ou, como se diz lá em casa, de "cãopanhia".

São imensos os estudos de base científica que comprovam a importância da convivência com animais. Do combate à depressão, redução do stress e sedentarismo, fortalecimento da imunidade, melhoria das capacidades de socialização ou desenvolvimento de virtudes nas crianças, os "animais da nossa vida" assumem-se como personalidades indispensáveis no nosso quotidiano.

Todos são uma verdadeira "cãopanhia", assim sejam tratados com a dignidade e respeito que merecem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG