Trump diz que Bolton foi um desastre e passou das marcas

Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou que o Conselheiro de Segurança Nacional cessante foi um desastre em relação à Coreia do Norte e passou das marcas no que toca à situação na Venezuela

Donald Trump disse esta quarta-feira aquilo que realmente pensa sobre John Bolton, o Conselheiro de Segurança Nacional que despediu na véspera, através do Twitter, a rede social onde insulta toda a gente e faz anúncios importantes. Bolton, de 70 anos, é considerado um duro e um dos ideólogos da invasão do Iraque à margem da ONU no tempo do presidente George W. Bush.

"Sofremos um revés quando John Bolton falou no modelo líbio [para a Coreia do Norte]... que desastre. Ele usou isso para conseguir fazer um acordo com a Coreia do Norte? Não censuro Kim Jong-un pelo que fez depois disso e por não querer nada com John Bolton. E não está em causa o facto de ser duro. Está em causa o facto de não ser inteligente ao dizer uma coisa dessas", disse Trump, aos jornalistas, na Casa Branca. Recorde-se que, no passado, o regime norte-coreano classificou Bolton como "maníaco das guerras" e "escumalha humana".

Quando falhou no modelo, Bolton quis insinuar que Kim Jong-un poderia ter o mesmo fim do que Muammar al-Kadhafi, ou seja, abdicar de um programa nuclear com fins militares em troca do fim das senações e ainda assim acabar por ser morto mais tarde.

Estas declarações do presidente norte-americano surgem um dia depois de a Coreia do Sul ter informado que a Coreia do Norte tinha realizado um teste de lançamento de mísseis no oeste do país e numa altura em que surgiam rumores sobre a disposição do regime de Pyongyang em retomar as negociações com os Estados Unidos sobre a desnuclearização da Península coreana.

Sobre a Venezuela, sem especificar muito, o chefe do Estado norte-americano afirmou sobre John Bolton: "Acho que ele passou das marcas e isso veio a confirmar-se. Ele também não se dava bem com pessoas da Administração que eu considero muito importantes. O John não está alinhado com aquilo que nós estamos a tentar fazer". Trump, refere a Reuters, tem-se mostrado bastante impaciente em relação ao falhanço da campanha liderada pelos EUA contra o regime de Nicolás Maduro na Venezuela e em apoio de Juan Guaidó. Além disso, Bolton é considerado o grande arquiteto da linha dura dos EUA contra o Irão e responsável pelo facto de os norte-americanos terem saído do acordo com os iranianos.

No final de junho, depois de os iranianos terem abatido um drone norte-americano no estreito de Ormuz, Trump decidiu não retaliar. "Estávamos prontinhos para retaliar na noite passada em três sítios diferentes quando eu perguntei, quantos vão morrer? 150, sir, foi a resposta de um general. 10 minutos antes do ataque mandei parar - não era proporcional com o derrube de um drone", escreveu Trump, numa série de tweets, na altura.

A decisão de cancelar o ataque surgiu depois de um dia de encontros entre Trump e os seus principais conselheiros e líderes políticos americanos. Se o secretário da Defesa Mike Pompeo e o Conselheiro para a Segurança Nacional John Bolton defendiam uma linha dura, os líderes do Congresso terão aconselhado Trump a ter calma, segundo noticiou então a Associated Press.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?