Trump desvaloriza acusação de abuso sexual ao candidato ao Supremo Tribunal

Republicanos querem concluir rapidamente o processo de nomeação de Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal

O presidente norte-americano, Donald Trump, desvalorizou hoje a acusação de abuso sexual ao seu candidato ao Supremo Tribunal, Brett Kavanaugh, afirmando que, se a agressão fosse "tão má", a mulher teria apresentado queixa imediatamente.

"Não tenho dúvidas de que, se o ataque à Dra. Ford foi tão mau como ela diz, ou ela ou os seus queridos pais teriam imediatamente apresentado queixa às autoridades locais competentes", escreveu Trump no Twitter.

"Peço que essa queixa seja mostrada, para que possamos saber a data, a hora e o local!", acrescentou.

O presidente norte-americano já tinha abordado o assunto, mas até ao momento não tinha nomeado a mulher que acusa Kavanaugh, a professora universitária Christine Blasey Ford, ou questionado as suas alegações.

Noutro 'tweet', Trump escreveu que Kavanaugh tem "uma reputação impecável" e está a ser "atacado por políticos de esquerda radicais" que "não querem respostas, apenas destruir e adiar".

"Os factos não interessam. Passo por isso com eles todos os dias em D.C.", acrescentou.

A nomeação de Kavanaugh para o Supremo Tribunal foi posta em causa depois de Christine Blasey Ford o ter acusado de agressão sexual quando ambos eram adolescentes, há mais de 30 anos. Kavanaugh nega a acusação.

Os Republicanos querem concluir o processo de nomeação rapidamente, mas os Democratas consideram que a acusação justifica um adiamento e recusam apressar o processo.

Estão em curso negociações para Christine Ford testemunhar numa comissão do Senado.

Ford admitiu testemunhar, segundo o seu advogado, mas estará a negociar condições, nomeadamente a de Kavanaugh não estar presente, segundo a imprensa norte-americana.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.