Trump despede o diretor da agência que garantiu que as eleições foram seguras

Presidente dos Estados Unidos continua a reclamar vitória e a dizer -- sem apresentar provas concretas -- que houve fraude eleitoral.

O presidente dos Estados Unidos demitiu esta terça-feira à noite o presidente do departamento de ciberseguraça norte-americano que garantiu que as eleições presidenciais do passado dia 3 de novembro foram totalmente seguras, desmentindo assim a tese defendida por Trump e pelos seus aliados, que mantêm -- ainda que sem apresentar provas concretas -- ter existido fraude eleitoral.

Em dois tweets consecutivos, Donald Trump afirma que "terminou" as funções de Chris Krebs à frente da Cybersecurity and Infrastructure Security Agency (CISA), que faz parte do Departamento de Segurança Interna dos EUA, precisamente por ele ter afirmado publicamente não existirem quaisquer indícios de irregularidades.

"As declarações recentes de Chris Krebs relativamente à segurança das eleições de 2020 foram extremamente erróneas, uma vez que existiram massivas indecências e fraudes -- incluindo situações de pessoas mortas que votaram, observadores que não tiveram acesso aos locais de contagem de votos, "erros" nas máquinas de contagem que mudaram os votos de Trump para Biden, votações para além da hora permitida e muitos outros casos. Assim, com efeitos imediatos, Chris Krebs tem as suas funções terminadas como diretor da Cybersecurity and Infrastructure Security Agency", escreve Trump.

As "declarações" a que Trump se refere é um comunicado da CISA divulgado horas antes em que se reafirma a segurança informática do processo eleitoral.

"Não se encontrou qualquer prova que qualquer sistema de escrutínio apagou ou perdeu votos, modificou votos ou foi de alguma forma comprometido", escreve o comité especializado da CISA responsável pela cibersegurança do ato eleitoral no referido documento, citado pelo Washington Post.

"Temos conhecimento que existem muitas alegações infundadas e oportunidades de desinformação acerca do processo eleitoral, mas podemos garantir com a máxima confiança a segurança e integridade das nossas eleições".

O próprio Krebs, após este comunicado, veio para o Twitter apelar aos norte-americanos para que não reproduzam desinformação. Num dos Tweets, reproduziu um jurista que apelava a que não o fizessem mesmo que essa informação viesse do presidente".

A demissão chegou poucas horas depois.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG