Trump desafia Congresso a aprovar resgate económico

Republicanos querem estímulo de 500 mil milhões de dólares. Democratas vetaram o plano e pedem ainda mais investimento na luta contra a pandemia.

O presidente cessante dos Estados Unidos, Donald Trump, instou este sábado o Congresso a aprovar um novo pacote de medidas de estímulo da economia "grande e focado", para conter a crise provocada pela pandemia da covid-19.

"O Congresso deveria fazer agora um projeto de lei de alívio de covid. Precisa do apoio dos Democratas. Faça-o grande e focado. Faça-o", lê-se numa publicação na conta oficial de Donald Trump no Twitter.

A agência EFE salienta que estas são as primeiras palavras de Trump em relação às conversações para a aprovação de um novo pacote de estímulos, desde que há uma semana as projeções dos principais meios de comunicação social norte-americanos deram coo vencedor das eleições presidenciais de 3 de novembro o democrata Joe Biden.

Donald Trump ainda não reconheceu a derrota e denunciou, sem provas, que houve fraude.

Antes das eleições, o agora presidente cessante fez apelos, em várias ocasiões, para chegar a um acordo com os democratas no Congresso para definir um novo plano de resgate da economia, depois de ter aprovado em março passado o maior da história dos Estados Unidos, no valor de 2,2 biliões de dólares.

As negociações decorriam há meses, mas pararam antes das eleições presidenciais e ainda não foram retomadas.

De acordo com os meios de comunicação social locais, caso sejam retomadas, será o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, que também não reconheceu a vitória de Joe Biden, a liderar as negociações, ficando a Casa Branca em segundo plano.

Pedido estímulo no valor de 500 mil milhões

Os republicados defendem a aprovação de um resgate limitado, similar ao plano de estímulo no valor de 500 mil milhões de dólares, apresentado pelos conservadores e que foi bloqueado em setembro e outubro pelos democratas no Senado.

A proposta dos republicanos contempla financiamento para as pequenas empresas e a saúde pública, mas não inclui fundos para os governos locais ou depósitos diretos aos cidadãos, como o resgate aprovado em março.

Os democratas, por seu lado, defendem um pacote de ajuda maior que incluía novos apoios por desemprego, uma segunda ronda de pagamentos diretos aos cidadãos e assistência aos governos estatais e locais, entre outros.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (244 346) e também com mais casos de infeção confirmados de covid-19 (mais de 10,7 milhões).

As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a pandemia reverterá os progressos feitos desde os anos de 1990, em termos de pobreza, e aumentará a desigualdade.

O FMI prevê uma queda da economia mundial de 4,4% em 2020, com uma contração de 4,3% nos Estados Unidos e de 5,3% no Japão, enquanto a China deverá crescer 1,9%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG