Trabalhistas votam a favor de eleições antecipadas no Reino Unido

Jeremy Corbyn anunciou que o seu partido irá votar, esta terça-feira, a favor da realização de eleições antecipadas ainda antes do Natal.

Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, anunciou esta terça-feira que o seu grupo vai votar esta tarde a favor da realização de eleições antecipadas no Reino Unido, ainda antes do Natal.

"Estamos preparados para ir a eleições", garantiu Corbyn perante os membros do seu partido, justificando que "já está cumprido o objetivo de tirar de cima da mesa a possibilidade de uma saída sem acordo" da União Europeia (UE), que esta segunda-feira aceitou conceder um novo prolongamento do Brexit até 31 de janeiro.

O primeiro-ministro Boris Johnson vai submeter novamente a votação no Parlamento a proposta, depois de ontem não ter alcançado o apoio de dois terços da Câmara dos Comuns para que fossem antecipadas as eleições para 12 de dezembro. Na altura, os trabalhistas votaram contra, mas agora anunciam terem mudado de ideias porque a União Europeia aceitou prorrogar em três meses o prazo final para o Brexit.

"Vamos agora iniciar a campanha mais ambiciosa e radical na defesa de mudanças reais, algo que o nosso país nunca viu", assumiu Corbyn. Já o grupo responsável pela campanha dos trabalhistas publicou uma mensagem no Twitter, na qual expressa todo o empenho para as eleições antecipadas: "Esta é a oportunidade de uma vida para colocar um ponto final na confusão que os conservadores criaram e assim devolver a esperança a milhões de pessoas. Vamos fazê-lo."

Segundo a legislação britânica são necessários 25 dias úteis entre a convocação de eleições e o ato eleitoral.

Após os 27 governos da UE terem aprovado um novo adiamento do Brexit até 31 de janeiro, Boris Johnson escreveu ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, a confirmar a aceitação do adiamento da data do Brexit. Embora tenha voltado a lamentar a decisão. "Devo deixar claro que este prolongamento indesejado da permanência do Reino Unido na UE é prejudicial para a nossa democracia e para a relação entre nós e os nossos amigos europeus", escreveu.

Depois disso, Boris Johnson levou à Câmara de Comuns uma moção para se aprovar eleições antecipadas. "Este parlamento esgotou-se. Esta casa não é capaz de cumprir as prioridades do povo. E eu prefiro que se cumpra o Brexit", disse o primeiro-ministro conservador, que, no entanto, não conseguiu convencer dois terços dos deputados. Os trabalhistas tinham indicações para se absterem ou votarem contra, pelo que se manifestaram a favor 299 parlamentares e 70 votaram contra. Esta tarde, tudo indica, que a votação será diferente...

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG