Toureiro em estado grave após ter sido colhido por um touro

Gonzalo Caballero foi submetido a duas intervenções cirúrgicas à perna esquerda. Está internado em estado grave na unidade de cuidados intensivos do Hospital de São Francisco de Assis.

O toureiro espanhol Gonzalo Caballero, de 27 anos, está internado nos cuidados intensivos de um hospital madrileno, depois de ter sido colhido por um touro, na praça de Las Ventas, em Madrid, Espanha. Ao entrar a matar, Gonzalo sofreu uma cornada na coxa esquerda com duas trajetórias, de 25 e 30 centímetros, que atingiram a veia femoral.

Depois de uma primeira intervenção na enfermaria da praça, foi transferido para o Hospital Francisco de Assis, onde se encontra hospitalizado em estado grave, depois de ter sido submetido a uma segunda operação.

Segundo o El País, Gonzalo está vivo "por milagre", graças à rápida intervenção da equipa médica da praça de Madrid.

De acordo com o jornal espanhol, o toureiro tem vindo a sofrer múltiplas lesões desde 2016. Em maio deste ano, Gonzalo foi parar à enfermaria com ferimentos na perna esquerda, depois de entrar para matar um touro na mesma praça.

Em declarações ao El Mundo, o cirurgião-chefe da praça de touros, Máximo García Padrós, adiantou que o jovem está internado na unidade de cuidados intensivos, sedado e entubado, depois de ter perdido "muito sangue".

Máximo Padrós explicou que o corte provocou a trombose da artéria femoral, que teve de ser operada pela segunda vez no hospital.

Nesta altura, ainda não há previsões sobre as possíveis sequelas do incidente. Como é jovem, há a expectativa que possa recuperar bem.

O momento foi captado em vídeo (as imagens podem chocar as pessoas mais sensíveis):

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.