Toda a tensão do G7 no Instagram de Angela Merkel

A chanceler alemã publicou na sua página no Instagram uma fotografia de um seu fotógrafo oficial que demonstra como quase tudo roda em torno de Trump

Numa cimeira do G7 marcada pelo anúncio, feito dias antes, de que os EUA iriam passar a cobrar taxas aduaneiras nas importações de aço e alumínio até dos seus tradicionais aliados, tudo girou à volta da gestão das tensões entre os países mais ricos do mundo.

A BBC identificou a maior parte dos personagens de imagem partilhada por Angela Merkel no Instagram e descreve, um a um, como se têm relacionado com a decisão do Presidente norte-americano de penalizar fiscalmente as importações pelos EUA de aço e de alumínio.

A chanceler alemã legendou a fotografia no Instagram: "Dia dois da cimeira do G7 no Canadá: reunião espontânea entre duas sessões de trabalho".

1. Donald Trump - O Presidente dos EUA chocou os aliados da América - a UE, o México e o Canadá - quando anunciou recentemente uma tarifa de 25 por cento sobre as importações de aço e de 10 por cento sobre o alumínio desses países. Todos eles ameaçam com medidas de retaliação. O anúncio de Trump ofuscou a cimeira do G7, deixando o presidente americano ainda mais isolado. Trump respondeu que os EUA não podem ser "um mealheiro que toda a gente rouba". No entanto acrescentou ter um relacionamento perfeito com todos os líderes presentes na cimeira: "10 em 10". A reunião ainda decorre mas Trump já foi embora.

2. John Bolton - O conselheiro nacional de segurança da Administração Trump, nomeado há apenas três meses, apoiou com veemência as afirmações do Presidente do EUA segundo as quais as suas medidas de protecionismo económico se justificam também por "razões de segurança nacional.

3. Shinzo Abe - O chefe do governo japonês está sob crescente pressão para se juntar a medidas de retaliação contra as medidas de combate às importações anunciadas por Trump. Shinzo Abe está numa posição particularmente difícil porque sempre procurou cultivar uma relação calorosa com o atual inquilino da Casa Branca - com quem já se terá encontrado uma dezena de vezes.

4. Yasutoshi Nishimura - Deputado do Partido Democrático Liberal japonês, acompanhou Shinzo Abe à cimeira do G7, devido aos seus conhecimentos em comércio internacional (já deteve esta pasta no governo nipónico). Em 2009 candidatou-se à liderança do seu partido mas perdeu.

5. Angela Merkel - A chanceler alemã tem liderado as negociações para tentar resolver as divergências no interior da cimeira do G7, como aliás a foto parece claramente mostrar. Merkel terá sugerido a criação de um mecanismo para resolver disputas comerciais entre os EUA e seus aliados. Questionada sobre o seu relacionamento com o Presidente Trump, disse que os dois nem sempre concordam mas que podem conversar entre si: "Mantenho um relacionamento muito aberto e direto com o Presidente americano", disse, elegantemente.

6. Emmanuel Macron - Pouco antes de a cimeira se iniciar, o Presidente francês envolveu-se numa discussão no Twitter com Trump por causa das tarifas penalizadoras de importações que este anunciou. Essa disputa desencadeou especulações sobre se o "bromance" entre os dois terminara. As imagens do G7 mostraram, porém, que a relação entre Macron e Trump se mantém amistosa. O Presidente francês disse que as suas conversas com o Presidente dos EUA são "francas e robustas".

7. Theresa May - Num telefonema na semana passada, a primeira-ministra britânica disse diretamente ao Presidente Trump que as tarifas protecionistas por ele anunciadas eram "injustificadas e profundamente decepcionantes". Porém, na cimeira do G7 Theresa May adotou uma atitude mais conciliadora, incentivando os outros líderes a não alinharem numa guerra comercial com os EUA.

8. Larry Kudlow - O principal assessor económico do Presidente Trump defendeu as medidas protecionistas por este anunciadas e diz que seu chefe não deve ser responsabilizado pela criação de conflitos comerciais que venham a surgir entre os EUA e os seus aliados. No segundo dia da cimeira, Kudlow falou aos jornalistas, para apoiar ao apelo de Trump em defesa da eliminação de todas as tarifas entre os países do G7. Porque essa, explicou, é "a melhor maneira de promover o crescimento económico".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.