Thae e Ji, os norte-coreanos eleitos deputados na Coreia do Sul

Antigo número dois da embaixada da Coreia do Norte e fugitivo elogiado no discurso do estado da união dos EUA vão ser representantes dos eleitores sul-coreanos.

Um ex-dirigente norte-coreano tornou-se na primeira pessoa oriunda da ditadura vizinha escolhida de forma direta pelos eleitores sul-coreanos como seu representante, enquanto um antigo menino pobre, também foragido do regime, foi eleito através da representação proporcional.

Na Coreia do Sul as eleições parlamentares são mistas (253 deputados eleitos no sistema uninominal e 47 no sistema proporcional).

Em 2012, Cho Myung-chul, ex-professor da Universidade Kim Il-sung em Pyongyang, foi eleito de forma indireta para a Assembleia Nacional através do sistema de representação proporcional. Foi o primeiro desertor norte-coreano a ganhar um lugar no parlamento do Sul.

Thae Yong-ho, um antigo diplomata que desempenhava as funções de vice da embaixada da Coreia do Norte em Londres, foi eleito para a Assembleia Nacional pelo principal partido da oposição, o Partido do Futuro Unido.

"Tenciono dedicar o melhor da minha capacidade para que o nosso parlamento e o nosso governo possam enfrentar a realidade e aplicar políticas sustentáveis e viáveis na Coreia do Norte", disse antes de chorar e cantar o hino da Coreia do Sul.

Concorreu no círculo eleitoral de Gangnam, o rico bairro de Seul que é bastião dos conservadores. Thae obteve 58,4% dos votos, muito à frente do opositor Kim Sung-gon, um experiente deputado do Partido Democrata, que alcançou 39,6%.

Os seus adversários questionaram se estará ao corrente das questões mais prementes em Gangnam, onde os eleitores dão tanta ou mais importância às questões económicas em matéria imobiliária e fiscal do que sobre a Coreia do Norte.

"A Coreia do Sul é o meu país natal e Gangnam é a minha cidade natal", disse Thae, numa manifestação de apego ao país e ao bairro que o acolheu depois de ter desertado em agosto de 2016.

Thae Yong-ho, de 57 anos, é de uma família da elite do regime estalinista, mas fugiu do posto em Londres depois de ter ficado desiludido com o regime de Kim Jong Un.

Thae explicou que decisão foi tomada para evitar que os seus filhos, que viveram em Pyonyang e na Europa se confrontassem com uma vida "miserável" na Coreia do Norte.
"Uma vez no mundo exterior, não se pode suportar esse tipo de escravatura", justificou.

Desde então, Thae tornou-se num crítico acérrimo da Coreia do Norte, mas também da política de compromisso e de negociações do presidente Moon Jae-in, cujo Partido Democrático venceu as eleições com maioria absoluta.

O conservador Partido do Futuro Unido deu-lhe a oportunidade de concorrer por Gangnam e não desperdiçou a ocasião.

Thae fez campanha sob o nome falso Tae Ku-min, o mesmo que usou quando se registou na Coreia do Sul para dificultar a sua localização. O regime norte-coreano persegue desertores e até cidadãos afastados da órbita do poder. Por exemplo, o meio-irmão do ditador Kim Jong-un, Kim Jong-nam, foi envenenado em 2017 no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia.

O menino que roubava carvão

Ji Seong-ho, outro desertor que concorreu pelo partido satélite do Futuro Unido, Futuro da Coreia, também foi eleito mas pelo contingente dos representantes proporcionais.

Se Thae pertencia à elite de Pyongyang, a família de Ji era do povo. Aos 13 anos perdeu a mão e a perna esquerda na sequência de um acidente, quando desmaiou e caiu de um vagão de um comboio que transportava carvão. Ji estava a roubar carvão para ajudar a família a tentar contrariar a fome. Além do acidente foi operado sem morfina e sem anestesia.

Fugiu da Coreia do Norte dez anos depois, em 2006. Apesar da deficiência, conseguiu escapou a nado com a ajuda do irmão para a China. Daqui seguiu para o Laos, Birmânia e Tailândia até, por fim, chegar à Coreia do Sul.

Em Seul recebeu próteses e a oportunidade para estudar Direito. Aos 38 anos dirige uma organização de defesa dos direitos humanos que ajuda refugiados norte-coreanos.

Em 2018 dirigiu-se ao Congresso dos Estados Unidos para ouvir de Donald Trump um elogio pela sua coragem durante o discurso sobre o estado da união. Ji foi aplaudido de pé e, em sinal de reconhecimento, ergueu as muletas.

Os desertores norte-coreanos, mais de 33 mil na Coreia do Sul, começaram a alargar o seu âmbito de participação na política sul-coreana, tendo lançado no mês passado o primeiro partido político de desertores.

Eleições históricas

O Partido Democrático, progressista, no poder, conquistou a primeira maioria absoluta na Assembleia Nacional desde o regresso da democracia, em 1987. A vitória nas eleições é creditada à gestão da pandemia de covid-19 por parte do presidente Moon Jae-in.

Além dos resultados únicos em mais de 30 anos, as eleições foram uma celebração da democracia. Apesar da ameaça do novo coronavírus, a taxa de participação foi de 66,2%, a mais elevada em 28 anos de legislativas.

O resultado confirma a tendência que as sondagens já estavam a indicar, mas não deixa de ser surpreendente. Ainda no final de 2019 o governo estava em crise, com a economia a dar sinais preocupantes e com um escândalo político a minar a popularidade do governo: o ministro da Justiça, Cho Kuk, foi acusado de corrupção, bem como a sua mulher, que além do mais foi presa.

O governo também era criticado pela falta de resultados da política de abertura diplomática com a Coreia do Norte.

A crise do vírus acabou por ser o remédio para os males da popularidade de Moon Jae-in e do seu executivo graças às medidas rápidas e eficazes no combate à disseminação do covid-19.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG