Televisão estatal do Irão admite morte de manifestantes em várias cidades

A televisão estatal iraniana admitiu hoje que as forças de segurança mataram manifestantes em várias cidades do país, durante os protestos de novembro desencadeados pelo aumento, pelo Governo, do preço da gasolina.

Na segunda-feira, a organização não-governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) indicou que pelo menos 208 pessoas foram mortas na crise, conforme adiantou a Al Jazeera, que começou a 15 de novembro, quando o Governo de Teerão decidiu aumentar em 50% os preços da gasolina.

Nos protestos e na repressão que se seguiu, as autoridades iranianas cortaram o acesso à internet, impedindo quem se encontrava no país de partilhar vídeos e informação e o mundo exterior de saber a escala da violência. O acesso à internet foi restaurado nos últimos dias.

A televisão estatal atribuiu quatro categorias aos homicídios, alegando que alguns dos mortos eram "desordeiros que atacaram centros militares ou estratégicos com armas de fogo ou facas, ou fizeram reféns em algumas zonas". A TV descreveu outros mortos como espetadores, forças de segurança ou manifestantes pacíficos, sem atribuir responsabilidades por estas mortes.

As zonas onde se registaram os maiores protestos foram Mahshahr, no sudoeste do país, Teerão, Shiraz e Sirjan e Shahriar, um subúrbio da capital iraniana, onde a AI indicou terem ocorrido "dezenas de mortes".

A ONG, que não forneceu um número de vítimas mortais para outras zonas do país, acrescentou que "os números reais deverão ser mais elevados".

A missão iraniana na ONU rejeitou os números da AI, por os considerar "infundados", mas não adiantou qualquer balanço do número de vítimas mortais.

As manifestações, iniciadas em 15 de novembro após o anúncio do aumento do preço dos combustíveis, alastraram rapidamente a pelo menos 40 cidades e localidades, sendo acompanhadas por incêndios ou ataques a estações de serviço, esquadras da polícia, centros comerciais ou edifícios públicos, segundo os 'media' iranianos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...