Suspeito do caso Maddie com pena de prisão confirmada em caso de violação de idosa

Christian Bruckner tinha recorrido de uma sentença de sete anos por uma violação de uma idosa na Praia da Luz, num caso distinto do que envolveu o desaparecimento de Madeleine McCan

A justiça alemã confirmou esta sexta-feira a pena de sete anos de prisão por violação de uma septuagenária aplicada a Christian B., cidadão alemão apontado como suspeito do desaparecimento, em 2007, da criança britânica Maddie McCann em Portugal.

Segundo a agência noticiosa AFP, a confirmação desta pena de prisão pela justiça germânica já era esperada depois de o Tribunal de Justiça da União Europeia ter rejeitado, no final de setembro, o recurso de Christian B. contra aquela condenação proferida inicialmente pelos tribunais alemães no final de 2019.

O alemão Christian B. foi condenado na Alemanha, em dezembro de 2019, a sete anos de prisão pela violação e roubo de uma norte-americana de 72 anos, crime ocorrido em 2005 em Portugal, num local próximo da Aldeia da Luz, Lagos, onde Maddie viria a desaparecer misteriosamente em maio de 2007.

"Ele (Christin B.) ameaçou a mulher com uma arma branca, amarrou-a e violou-a. Depois forçou a vítima a dar-lhe dinheiro", recordou o tribunal de Brunswick, em comunicado.

Christian B. vai assim permanecer em prisão, permitindo que os investigadores, que temiam sua eventual libertação condicional, continuem suas investigações sobre o desaparecimento de Maddie McCann.

O caso Maddie teve um súbito desenvolvimento no início de junho, com a identificação deste alemão, de 43 anos, considerado um pedófilo reincidente e que está atualmente detido em Kiel, no norte da Alemanha.

Segundo os investigadores germânicos, o detido é suspeito do homicídio da menina britânica que tinha três anos (à data dos factos, em 2007) e que estava de férias com os pais quando desapareceu do quarto do hotel onde estava a dormir no aldeamento turístico da Praia da Luz.

Em meados de junho, o Ministério Público de Brunswick esclareceu que tinha "indícios fortes" que sustentavam a convicção de que a menina estava morta, mas não "provas forenses" no sentido de que, por exemplo, os restos do corpo tivessem sido encontrados.

Segundo o advogado de Christian B., citado pelos media, o detido nega qualquer envolvimento no desaparecimento de Maddie.

No final de julho, a polícia alemã realizou buscas e escavações num terreno perto de Hanover, frequentado pelo suspeito, mas não revelou se ali tinha encontrado algum elemento de prova relevante.

Christian B. vivia à data do desaparecimento de Maddie a poucos quilómetros da estância balnear da Praia da Luz onde a família da criança inglesa estava de férias.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG