Suspeito de Toronto defendeu rebelião dos celibatários involuntários

Alek Minassian, 25 anos, foi acusado de dez homicídios em primeiro grau. Antigos colegas dizem que é "socialmente desajeitado"

O silêncio do suspeito do ataque de Toronto em tribunal só foi interrompido em duas ocasiões. Primeiro, para dizer o nome: Alek Minassian. Depois, um mero "sim" para confirmar que entendia os procedimentos e a acusação de dez homicídios em primeiro grau e 13 por tentativa de homicídio, referente aos feridos graves. No total, foram dez minutos em que não foi feita luz sobre os motivos para ter conduzido uma carrinha branca, alugada, por uma das ruas mais movimentadas da capital da província de Ontário. O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, afasta a hipótese de terrorismo.

A página de Facebook do suspeito pode contudo conter uma pista para os motivos. A rede social confirmou ao jornal The Globe and Mail a veracidade da publicação feita na conta de Alek Minassian momentos antes do ataque - avisando que alguém com acesso podia escrever o texto após os eventos, publicando-o com uma data anterior. "A rebelião incel já começou! Vamos derrubar todos os Chads e Stacys. Saudações ao supremo cavalheiro Elliot Rodger", dizia.

A expressão "incel" nasce da junção das palavras "celibatário involuntário" e tem sido usada em redes sociais como Reddit pelos chamados ativistas dos direitos dos homens, que acusam as mulheres pela sua falta de atividade sexual. Os "Chads" do texto referem-se aos homens que são sexualmente prolíficos, enquanto as "Staceys" são as mulheres consideradas inatingíveis. O citado Elliot Rodger foi responsável por um ataque em maio de 2014, em Isla Vista (Califórnia), em que matou seis pessoas antes de se suicidar. Deixou um manifesto detalhando a frustração sexual e ódio pelas mulheres, dizendo que tinha que as castigar por o rejeitarem.

Mas quem é Minassian? O suspeito do ataque de segunda-feira tem 25 anos e vivia em Richmond Hill, nos arredores de Toronto. Foi detido menos de meia hora depois do início do ataque na rua Yonge, às 13.30 locais (18.30 em Lisboa), depois de um impasse com um agente da polícia. Num vídeo de uma testemunha, o suspeito parece apontar uma arma ao agente, que lhe ordena repetidamente que se entregue. "Dispara na cabeça", ouve-se o suspeito dizer, avisando que tem uma arma no bolso. "Não me importa. Deita-te no chão", responde o polícia, que o detém sem disparar um tiro. As autoridades indicaram depois que não estaria armado.

Uma porta-voz do Ministério da Defesa, citada pelo jornal National Post, confirmou que Minassian foi membro das Forças Armadas entre 23 de agosto e 25 de outubro de 2017. "Ele não completou o treino de recruta e pediu para ser dispensado voluntariamente após 16 dias", indicou Jessica Lamirande. Segundo os antigos colegas do estabelecimento de ensino profissional e do de ensino superior que frequentava (College Seneca, desde 2011), Minassian é uma pessoa "socialmente desajeitada", que sofre de comportamento obsessivo compulsivo (esfregando as mãos ou a cabeça) e se mantinha afastado de todos. Era especialista em tecnologia.

O jornal canadiano The Globe and Mail citou um artigo de 2009 de um jornal local de Richmond, no qual Sona Minassian lamentava que o filho, com síndrome de Asperger (uma forma de autismo), estivesse em risco de deixar um programa especial que o ajudava a ultrapassar as suas barreiras cognitivas e a prepará-lo para o mercado de trabalho. O jovem, que não é identificado, trabalhava então numa companhia ligada às tecnologias de informação. Ontem, no tribunal, o pai do suspeito, Vahe Minassian, chorava na primeira fila. À saída, questionado pelos jornalistas sobre se tinha algo a dizer, respondeu "desculpem". E "não", quando lhe perguntaram se tinha havido sinais.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, ofereceu as condolências às famílias das vítimas - entre as quais dois sul-coreanos e um jordano. "Em relação aos motivos do suspeito, acho que vai demorar algum tempo até perceber o que ia na cabeça desta pessoa", afirmou, dizendo ser "bastante claro que não existe ligação à segurança nacional". O primeiro-ministro indicou ainda que os canadianos não podem viver com medo. "Precisamos concentrar-nos em fazer o que podemos e devemos para manter os canadianos seguros, enquanto nos mantemos fiéis às liberdades e valores que todos nós prezamos", acrescentou.

Uma mensagem repetida pelo presidente da câmara, John Tory: "Toronto era ontem uma grande cidade, é hoje uma grande cidade hoje e amanhã vai continuar a ser uma grande cidade." A vice-presidente da câmara, a luso-canadiana Ana Bailão, disse à Lusa que a cidade vai conseguir superar a tragédia. "Toronto é uma cidade segura, extremamente acolhedora. Temos que continuar e não nos podemos jamais deixar intimidar por qualquer ação deste tipo".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG