Sri Lanka escolhe Presidente sob a sombra dos atentados da Páscoa

Cerca de 16 milhões de eleitores do Sri Lanka escolhem hoje o Presidente, numas eleições disputadas e decisivas para o futuro de um país que ainda recupera de um violento ataque terrorista.

As autoridades convocaram mais de 60 mil polícias e 8.080 membros da Defesa Civil para proteger, no dia das eleições, os cerca de 21 milhões habitantes da repetição de atos de terrorismo como o que abalou o país em 21 de abril, domingo de Páscoa, provocando 269 mortes e fazendo mais de 400 feridos, numa série de ataques a hotéis e igrejas.

O processo eleitoral será seguido por várias comitivas de observadores internacionais, incluindo uma da União Europeia, que confirmou o envio de uma missão com mais de 80 delegados, liderada pela eurodeputada portuguesa Marisa Matias.

A eleição presidencial, com 35 candidatos, teve uma campanha muito disputada e promete um duelo renhido entre o representante do partido no poder, o ministro da Habitação, Sajith Premadasa, e Gotabaya Rajapaksa, irmão de um antigo Presidente do Sri Lanka.

Gotabaya é um oficial militar aposentado, de 70 anos, que assumiu o comando do Secretariado de Defesa, durante o mandato presidencial do seu irmão mais velho, Mahinda Rajapaksa.

Os dois irmãos representam uma família que é vista por uma parte da população como os heróis que conseguiram terminar a guerra civil de quase três décadas, mas para outra parte, eles são o símbolo da brutalidade de um conflito que fez milhares de mortos e desaparecidos entre a minoria tâmil.

Sajith Premadasa, 52 anos, é filho de Ranasinghe Premadasa, Presidente do Sri Lanka desde 1989 até ser morto em maio de 1993, em Colombo, num atentado suicida.

O candidato da coligação da Nova Frente Democrática (NDF) é visto como o candidato com mais possibilidades para derrotar Gotabaya e o seu nome tornou-se a esperança das minorias muçulmanas e tâmil.

Criado numa família privilegiada, Sajith Premadasa estudou na Universidade de Londres, onde se formou em Economia, Política e Relações Internacionais, para de seguida realizar um Mestrado em Políticas Públicas na Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

Todos os 35 candidatos (havendo apenas uma mulher entre eles) elegeram o combate ao terrorismo como prioridade dos seus mandatos, cientes do clima de tensão étnica que persiste no país e que se intensificou com os ataques terroristas do domingo de Páscoa.

Mas a campanha assistiu ainda a debates sobre reformas económicas que várias forças políticas apontam como urgentes para resistir ao competitivo mercado asiático.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.