Só dirige o país "quem tem força", diz PM da Guiné-Bissau

Aristides Gomes diz que neste momento o governo não tem condições para trabalhar. O país está sob um cenário de grande tensão política desde sexta-feira, quando Umaro Sissoco Embaló demitiu Aristides Gomes do cargo de primeiro-ministro e nomeou Nuno Nabian para o lugar.

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, disse este domingo que quem está a dirigir o país é quem tem a força para impor os seus objetivos. "Quem está a dirigir o país é quem tem força", afirmou aos jornalistas na sua residência em Bissau Aristides Gomes, sem especificar.

Questionado pelos jornalistas se vai renunciar ao cargo, Aristides Gomes disse que "não tem de renunciar ou continuar" no posto: "o Governo trabalha quando tem condições de trabalhar e neste momento, quer queiramos, quer não, não temos condições de trabalhar. Nós estamos em casa".

Aristides Gomes disse também que a agressão de a sua casa foi alvo é uma "inconsistência para aqueles que querem exercer o poder a curto, médio e longo prazo". "Pode assassinar as pessoas, intimidar, humilhar, mas depois no fim tem de Governar as pessoas, que são pessoas como nós, que somos humilhados e feridos na nossa dignidade", disse.

Nas declarações aos jornalistas, o primeiro-ministro guineense disse também que a comunidade internacional tem estado em consultas para encontrar vias para a resolução da situação no país. "É preciso não se precipitarem e intervirem de forma inteligente para evitar que determinadas intervenções possam aumentar o volume do fogo. Há concertações que estão em curso e penso que a comunidade internacional irá continuar a acompanhar a situação no país", salientou.

A Guiné-Bissau vive mais um momento de especial tensão política, depois de Umaro Sissoco Embaló ter demitido na sexta-feira Aristides Gomes do cargo de primeiro-ministro e nomeado Nuno Nabian, que tomou posse no sábado.

Umaro Sissoco Embaló, dado como vencedor da segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau pela Comissão Nacional de Eleições, tomou posse simbolicamente como Presidente guineense na quinta-feira, numa altura em que o Supremo Tribunal de Justiça ainda analisa um recurso de contencioso eleitoral interposto pela candidatura de Domingos Simões Pereira.

Após estas decisões, registaram-se movimentações militares, com os militares a ocuparem várias instituições de Estado, incluindo a rádio e a televisão públicas, de onde os funcionários foram retirados e cujas emissões foram suspensas.

Cipriano Cassamá, que tinha tomado posse na sexta-feira como Presidente interino, com base no artigo da Constituição que prevê que a segunda figura do Estado tome posse em caso de vacatura na chefia do Estado, renunciou este domingo ao cargo por razões de segurança.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG