Senegal. Criança de dez anos espancada até à morte por não saber a lição do dia

Caso aconteceu no Senegal numa escola islâmica, onde se estuda o Corão. Jovem monitor foi detido pelo espancamento e responderá por homicídio tal como o diretor da escola.

O Senegal está em choque após a morte de um estudante de uma escola islâmica, vítima de uma "correção" administrada por um colega mais velho. O rapaz de 10 anos foi espancado até à morte por não saber a lição do dia na escola corânica, uma madraça em que o Corão é objeto de estudo, noticia a agência France-Presse.

No país africano existem milhares de escolas corânicas, onde muitas crianças são vítimas de maus-tratos de acordo com as ONG's. O jornal senegalês Liberation deu conta que desde 2017 um total de 17 adolescentes foram mortos na sequência de atos de violência ou de negligência. Durante o mesmo período, 61 terão sido abusadas sexualmente e fisicamente. O jornal fez uma primeira página com a manchete "Tous culpables" [Todos culpados], exigindo medidas às autoridades e à sociedade senegalesa.

Fallou Diop, de 10 anos, morreu na noite de domingo, depois de ter sido "submetido a uma correção" infligida por um jovem encarregado de vigiar os alunos na ausência do professor do Corão. Segundo fontes policiais, o rapaz estava a ser castigado por não ter assimilado as lições do dia.

Na noite de quinta-feira, o "monitor", com idade entre 15 e 20 anos, de acordo com a imprensa local, e o diretor da escola corânica na vila de Raoudou Rayahin foram detidos e acusados de "homicídio", de "porem em risco a vida de outras pessoas" e de "não prestarem assistência a uma pessoa em perigo".

O ministro da Família e dos Direitos da Criança do Senegal, Ndèye Dieng, reagiu às críticas e prometeu apoio para a família da vítima enquanto assegura que "o Estado tomará as medidas necessárias para esclarecer este assunto".

A Human Rights Watch denunciou em junho o facto de muitos alunos de escolas corânicas serem submetidos a violência e negligência. Este crime ocorre dois meses após a controvérsia de outro caso de crianças maltratadas na mesma região de Louga. As imagens, transmitidas nas redes sociais, mostraram um rapaz com correntes nos pés para impedi-lo de fugir da escola e provocaram um aceso debate no país da África Ocidental que é predominantemente muçulmano. Muitas vozes fizeram-se ouvir para denunciar os atos que violam os direitos das crianças.

O caso da criança acorrentada levou o seu mestre e também os seus pais a responder perante um juiz. Foram condenados a dois anos de prisão suspensa, num julgamento considerado pela defesa dos arguidos como um gesto de "apaziguamento e sabedoria".

O Senegal tem estado sob grande pressão internacional para parar os abusos contra os talibés, crianças que são enviadas pelas suas famílias, muitas vezes a milhares de quilómetros de casa, para terem uma educação nas escolas islâmicas. Muitas dessas escolas abusam das crianças a seu cargo, forçando-as a pedir nas ruas e castigando-as severamente se não regressam com dinheiro ou comida.