Sánchez e Iglesias negoceiam um "governo de cooperação"

Líder socialista e dirigente da Unidas Podemos estiveram reunidos no Congresso espanhol. Não é claro ainda que forma vai ter esse executivo nem se haverá cargo ou não para Iglesias.

O líder da aliança Unidas Podemos, Pablo Iglesias, disse que o secretário-geral socialista, Pedro Sánchez, quer negociar "um governo de cooperação" e que, depois desta reunião inicial de uma hora e 20 minutos no Congresso, haverá agora "reuniões mais discretas" para ver como será possível chegar a esse objetivo.

"Concordamos que há uma maioria progressista que nos quer ver juntos", afirmou Iglesias à saída do encontro. Não é contudo ainda claro o que significa um "governo de cooperação", tendo os socialistas defendido nas últimas semanas a ideia de governar sozinhos com o apoio parlamentar da Unidas Podemos.

"Tenho a impressão que quer negociar um governo de esquerdas connosco, não tenho nenhuma razão para pensar que Sánchez está a mentir", disse Iglesias. "Um governo conjunto é um governo conjunto, chame-se o que se chame", acrescentou, dizendo que falou com Sánchez de reforma laboral e justiça fiscal e que espera que seja possível chegar a acordo programático com o PSOE.

Os socialistas dizem contudo que um governo de cooperação não é uma coligação, como a Unidas Podemos tem vindo a defender, podendo integrar independentes de referência.

"A esquerda sabe entender-se. A vontade dos que querem um governo liderado pelo PSOE é que aplique políticas progressistas. Assim se focou Pedro Sánchez nesta reunião. Saímos muito satisfeitos. Houve grandes coincidências programáticas", indicou a vice-secretária do PSOE, Adriana Lastra.

Segundo a mesma responsável, ambos os lados vão agora procurar "fórmulas" para esse governo de cooperação, um governo "plural, aberto e inclusivo" com "personalidades de referência em distintos âmbitos".

Após a vitória socialista nas eleições de 28 de abril, Sánchez foi convidado na semana passada pelo rei Felipe VI a submeter-se à investidura como primeiro-ministro. Uma vez que o PSOE não conseguiu a maioria no Congresso, será necessário negociar com outras forças políticas para ter os números necessários para passar a votação -- maioria absoluta na primeira volta ou maioria simples na segunda votação, 48 horas depois.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?