Polícia brasileira prende ex-executivo da Odebrecht em nova fase da Lava Jato

Os investigadores da operação Lava Jato informaram que entrou numa fase que tem o objetivo de investigar práticas de crimes de corrupção e branqueamento de capitais.

A Polícia Federal do Brasil executou esta quarta-feira dois mandados de prisão temporária e oito de busca e apreensão contra pessoas ligadas à construtora Odebrecht, suspeitas de subornar os ex-ministros brasileiros Guido Mantega e Antônio Palocci. Foram detidos o -executivo da Odebrecht Maurício Ferro e o advogado Nilton Serson, ambos no estado de São Paulo.

Os policiais também executaram mandados de busca e apreensão no estado da Bahia, incluindo endereços ligados ao ex-presidente da empresa Braskem Bernardo Gradin.

Em comunicado, a força-tarefa da Lava Jato informou que a nova fase da investigação tem o objetivo de investigar práticas de crimes de corrupção e branqueamento de capitais relacionados à edição de duas medidas provisórias (leis temporárias assinadas pela Presidência da República) que concederam o direito de pagamento dos débitos fiscais do imposto sobre produtos industrializados com a utilização de valores fiscais de exercícios anteriores.

Os investigadores alegam que os ex-ministros da Economia do Brasil Antônio Palocci e Guido Mantega teriam agido ilicitamente para favorecer os interesses da Braskem, empresa petroquímica que tem a Odebrecht como acionista principal e uma participação relevante na Petrobras.

Os promotores dizem ter indícios de que o ex-ministro Guido Mantega solicitou ao ex-presidente e herdeiro da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, o pagamento suborno no valor de 50 milhões de reais (11,1 milhões de euros) como contrapartida para a edição das duas medidas provisórias.O pedido teria sido aceite por Marcelo Odebrecht e pago pela Braskem. "Esta era uma espécie de contabilidade informal de propina da relação ilícita mantida entre a Odebrecht e Mantega", alegam os procuradores.

Mauricio Ferro, Bernardo Gradin e Newton de Souza foram denunciados pelo Ministério Público brasileiro pela prática dos crimes de corrupção ativa branqueamento de capitais, ao passo que Mantega foi denunciado pelos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais e Antônio Palocci pelo crime de corrupção passiva.

Os mandados de busca e prisão foram expedidos pela 13.ª Vara Federal de Curitiba, que também bloqueou ativos financeiros dos investigados no valor de 555 milhões de reais (123,7 milhões de euros).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG