Pela primeira vez, em quase vinte anos, o The Bachelor terá um concorrente negro

O popular reality show da ABC, The Bachelor, tem quase duas décadas, mas nunca tinha tido um concorrente negro. Ontem, a estação de televisão anunciou que isso ia mudar. As manifestações antirracistas, o movimento Black Live Matters e a acusação de falta de diversidade não terão sido alheias à escolha de Matt James, 28 anos, para protagonizar a próxima edição do programa.

Pela primeira vez na sua história, o famoso e bem sucedido reality show norte-americano, que pode muito bem ter servido de inspiração à criação do Tinder e outras aplicações de encontros, terá um protagonista negro.

Matt James, 28 anos, é agente imobiliário e é o escolhido pela ABC para protagonizar a próxima edição do The Bachelor, segundo anúncio oficial da estação de televisão norte-americana, na passada sexta-feira.

À escolha não terá sido alheio o ambiente de contestação ao racismo que se seguiu à brutal morte de George Floyd às mãos da polícia do Estado de Minneapolis, com manifestações em todo o país, e em todo o mundo, com a frase Black Lives Matters como palavra de ordem.

Importam, mas de facto, em 19 anos de programa, nunca tinha sido escolhido um "solteirão" afro-americano.

Matt James faz, portanto história, e sabe disso. Numa entrevista ao programa Good Morning America, da ABC, disse que "este é um passo na direção certa" e que "acha que nunca é o momento errado de fazer a coisa certa".

Uma petição online, com mais de 86 mil assinaturas, exigindo que a ABC refletisse e honrasse a diversidade racial do país, escolhendo um concorrente negro para a próxima temporada do programa e a tivesse também em consideração na escolha das pretendentes, deu um empurrão, que se terá tornado um imperativo no último mês.

Matt James, que tinha sido escolhido para um dos pretendentes da última temporada de The Bachelorette, um spin off do programa em que a protagonista é feminina e que até hoje também só teve uma concorrente negra, em 2017, adiado por causa da pandemia de covid-19, estava no lugar certo à hora certa e isso já está a catapultá-lo para o estrelato.

"Quando não pudemos avançar com as filmagens como planeado, foi-nos dado o benefício do tempo para conhecermos o Matt e todos concordámos que seria um Bachelor (solteirão) perfeito", disse Karey Burke, presidente da ABC Entertainment, num comunicado da estação.

"Sabemos que temos a responsabilidade de assegurar que as histórias de amor que estamos a ver no ecrã de televisão são representativas do mundo em que vivemos", acrescentou a responsável do reality show visto por milhões de pessoas em todo o mundo e que em 2012 foi processado por dois pretendentes a concorrentes que acusaram o programa de discriminação racial. Processo arquivado pelo juiz, que considerou, segundo a BBC, que The Bachelor tinha o direito de escolher os concorrentes que entendesse ao abrigo da Primeira Emenda da Constituição norte-americana, que protege a liberdade de expressão.

The times they are a changin' [os tempos estão a mudar] cantava Bob Dylan em 1964. Talvez agora estejam.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG