Neto de Lula da Silva morre aos sete anos

Arthur, filho de Sandro Lula da Silva, teve surto de meningite meningocócita esta manhã e não resistiu. Morreu em hospital de Santo André, arredores de São Paulo. Antigo presidente pediu para ir ao velório

O neto do antigo presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, morreu nesta manhã vítima de um quadro infeccioso de meningite meningocócita, detetado horas antes, num hospital em Santo André, cidade nos arredores de São Paulo. Arthur Araújo Lula da Silva, de sete anos, era filho de Sandro, segundo filho do casamento de Lula com Marisa Letícia, falecida há dois anos.

No final de janeiro morreu Genival da Silva, irmão mais velho do político preso em Curitiba a cumprir pena por corrupção passiva e outros crimes desde abril do ano passado. Na ocasião, Lula só foi autorizado a participar das cerimónias fúnebres pelo presidente do Supremo Tribunal Federal já depois do sepultamento, em virtude de uma guerra de decisões e despachos, pelo que acabou por se recusar a sair da prisão.

A defesa do ex-sindicalista, entretanto, já apresentou um pedido à justiça do Paraná para ir ao velório do neto. De acordo com a Lei de Execuções Penais, "condenados que cumprem regime fechado", o caso de Lula, "podem obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta", no caso de "falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão".

Em publicação no twitter, a presidente do PT Gleisi Hoffmann confirmou essa intenção. "Presidente Lula perdeu seu neto hoje. Que tristeza. Arthur tinha sete anos e foi vítima de uma meningite. Força presidente, estamos do teu lado, sinta nosso abraço e solidariedade. Faremos de tudo para que você possa vê-lo. Força à família, aos pais Sandro e Marlene. Dia muito triste", escreveu.

As meninges são as membranas que envolvem o sistema nervoso central. A meningite ocorre quando há inflamação desse revestimento, causado por micro-organismos, alergias a medicamentos, cancro e outros agentes. Os principais sintomas da meningite são dor de cabeça, febre e confusão mental.

Os últimos anos de Lula, depois de ter saído do Palácio do Planalto com 83% de aprovação e elogiado internacionalmente pelos seus mandatos, têm sido descritos como uma viagem dos céus ao inferno.

Logo em 2011, meses depois de ter entregue a presidência a Dilma Rousseff, o ex-metalúrgico e sindicalista foi diagnosticado com um tumor na laringe, após 40 anos de vício em tabaco. O tratamento de rádio e quimioterapia, sob coordenação dos médicos da elite paulistana que o ex-sindicalista passou nos últimos anos a frequentar, correu bem mas fez desaparecer por uns meses a principal imagem de marca do rosto do carismático político: as barbas. Já recuperado, Lula assistiu atónito à prisão por causa do escândalo do mensalão de José Dirceu e de outros seus ex-colaboradores e amigos íntimos.

Precisou ainda, tempos depois, de começar a socorrer Dilma Rousseff, em forte queda de popularidade, sobretudo após os protestos de junho de 2013 iniciados por causa do aumento em dez centavos de uma tarifa de autocarro em São Paulo. Sem tato político, ao contrário do padrinho, para lidar com um Congresso Nacional assumidamente clientelista, errante na condução económica e sob uma conjuntura internacional negativa, Dilma acabaria destituída em 2016. E 13 anos de poder depois, o PT, dizimado entretanto nas eleições municipais daquele ano, voltava à oposição para angústia de Lula.

Em janeiro de 2017, entretanto, Marisa Letícia Lula da Silva, companheira do político desde os primórdios da sua ação sindical, em 1973, sofreu um acidente vascular cerebral, vindo a morrer no dia 3 de fevereiro. Foi a segunda viuvez da vida de Lula, que perdeu aos 25 anos a primeira mulher, Lourdes Silva, por complicações derivadas de hepatite em plena gravidez.

Seis meses após a morte de Marisa Letícia, Lula ouviu a sentença do juiz Sergio Moro no caso do apartamento tríplex no Guarujá, um dos seis processos em que é réu ou acusado na Operação Lava-Jato e outras: nove anos e seis meses de encarceramento, agravados entretanto em segunda instância para 12 anos e um mês.

Seguiu-se a prisão, meses antes das eleições cujas sondagens liderava. E desde então nova condenação, desta vez por causa de uma propriedade rural em Atibaia, a morte do irmão no mês passado e a do neto hoje de manhã.

Em São Paulo

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.