Nacionalistas da Córsega em festa após eleição inédita de três deputados

Onda de resultados históricos começou há dois anos com vitória nas regionais. Um dos representantes agora eleitos pôs fim a uma longa dinastia familiar política que mantinha o assento parlamentar desde o início do século XX.

É uma estreia para o movimento nacionalista Pè a Corsica (Pela Córsega), que nunca tinha conseguido eleger nenhum representante para a Assembleia Nacional de França, país do qual quer ser independente. Na segunda volta das legislativas, no dia 18, conseguiram eleger não um, mas três deputados - Paul-André Colombani, Jean-Félix Acquaviva e Michel Castellani - dos quatro a que a Córsega tem direito.

"Os corsos decidiram hoje de forma esmagadora que iriam escrever em conjunto uma nova página desta ilha", disseram Jean-Guy Talamoni e Gilles Simenoni, os líderes do Pè a Corsica, na noite da segunda volta. "A vaga nacionalista terá consequências além-mar. Penso que em Paris terão de colocar esta noite uma série de questões e concluir que ter tratado durante um ano e meio com desprezo a decisão dos corsos em 2015, de não ter aberto um diálogo sério com os representantes da Córsega, foi um erro político", acrescentou Talamoni, referindo-se aos resultados das territoriais de dezembro de 2015.

Na Alta Córsega, os nacionalistas fizeram o pleno. Na primeira circunscrição, Michel Castellani bateu, com 60,5% dos votos, o candidato d"Os Republicanos, Sauveur Gandolfi-Scheit, que tentava conquistar o seu terceiro mandato mas não resistiu à onda nacionalista. "Este resultado é um sinal indiscutível do progresso das nossas ideias", afirmou Castellani, professor de Economia reformado de 72 anos, após a sua vitória. "O presidente tem de perceber que poderá marcar o seu mandato ao ser o primeiro presidente a alterar a situação da Córsega", acrescentou o agora deputado.

Na segunda circunscrição - onde o deputado da Esquerda Radical Paul Giacobbi estava fora da corrida após ser condenado a três anos de prisão por desvio de fundos públicos -, Jean-Félix Acquaviva não deu hipóteses a Francis Giudici, do La République en Marche!, ganhando com 63,5% dos votos. "É a união que deu os seus frutos e nos levou além dos meros nacionalistas", declarou, por seu turno, Acquaviva, de 44 anos, até agora diretor do Gabinete de Transportes da Córsega.

Na Córsega do Sul, o novato Paul-André Colombani impôs-se com 55,9% face a Camille de Rocca Serra, d"Os Republicanos, que deixou escapar um lugar de deputado detido praticamente sem interrupção pela sua família desde o início do século XX na segunda circunscrição deste departamento.

Nas legislativas de 2012, os nacionalistas tinham conseguido passar à segunda volta em duas das quatro circunscrições da Córsega, mas não haviam conseguido chegar à Assembleia Nacional em Paris, perdendo para três candidatos da UMP (antigo nome d"Os Republicanos) e um do Partido Radical de Esquerda.

Mas o momento alto dos nacionalistas corsos, pelo menos até agora, deu-se nas eleições territoriais da Córsega de dezembro de 2015 - que se realizam ao mesmo tempo do que as regionais francesas e servem para eleger os 51 deputados da Assembleia corsa - quando os dois partidos nacionalistas (Femu a Corsica e Corsica Libera, cuja união deu origem ao Pè a Corsica) conseguiram eleger 24 deputados.

Para alguns analistas, a eleição deste trio será apenas uma presença "simbólica", em que serão totalmente "afogados" pela onda de deputados fiéis ao presidente Emmanuel Macron. Mas os nacionalistas, garante Jean-Félix Acquaviva, farão ouvir "a voz do conselho executivo da Córsega", o minigoverno da ilha do Mediterrâneo.

O objetivo dos três deputados corsos é fazer valer as suas reivindicações em torno do estatuto de residência para os habitantes da ilha, a equiparação do corso ao francês como língua oficial e a exigência de uma amnistia para prisioneiros ditos "políticos". Reivindicações que ganharam força com os resultados eleitorais de 2015, mas não receberam resposta do governo de Paris.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG