Teerão. Multidão grita "Morte à América" e ayatollah chora junto ao caixão de Soleimani

Dezenas de milhares de iranianos estão esta segunda-feira concentrados no centro de Teerão, "vestido" de negro, para homenagear o general Qassem Soleimani, morto na sexta-feira num ataque aéreo dos Estados Unidos no Iraque.

O líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, orou e chorou esta segunda-feira próximo dos caixões do general Qassem Soleimani e de outros mortos no ataque norte-americano em Bagdad na sexta-feira, durante as cerimónias fúnebres em Teerão.

Khamenei, que tinha um relacionamento próximo com Soleimani, chorou durante as tradicionais orações muçulmanas pelos mortos.

O sucessor de Soleimani na força de elite iraniana Al-Quds, Esmail Ghaani, ficou ao lado de Ali Khamenei, assim como o Presidente iraniano, Hassan Rouhani, e outros líderes da República Islâmica durante as cerimónias fúnebres.

Centenas de milhares de pessoas presentes no ato fúnebre também choraram a morte do general iraniano.

A filha de Qassem Soleimani, Zeinab, ameaçou diretamente um ataque às forças armadas dos EUA no Médio Oriente enquanto falava diante de multidão em Teerão.

"As famílias dos soldados norte-americanos no oeste da Ásia (...) passam o dia esperando a morte de seus filhos", disse Zeinab. "Trump maluco, não penses que tudo acabou com o martírio do meu pai", acrescentou e terminou com a ameaça de que "um dia negro" vai cair sobre os EUA.

A TV estatal iraniana falou numa multidão de "milhões" de pessoas, embora esse número não possa ser verificado.

O líder do grupo militante palestino Hamas, Ismail Haniyeh, está em Teerão e assistiu também às cerimónias fúnebres de Soleimani.

Ismail Haniyeh, num discurso aos iranianos, descreveu o general Qassem Soleimani, como "o mártir de Jerusalém".

O responsável do Hamas prometeu que grupos militantes palestinianos - incluindo o seu grupo, que controla a Faixa de Gaza -, seguirão o caminho de Soleimani "para confrontar o projeto sionista e a influência norte-americana".

Com imagens do seu herói sorridente nas mãos, os iranianos concentraram-se antes das 08.00 (04.30 em Lisboa) junto à Universidade de Teerão, onde o guia supremo, o ayatollah Ali Khamenei, preside a uma oração em homenagem ao soldado mais popular do Irão.

A multidão, concentrada junto à universidade e ao longo de vários quilómetros, pelas avenidas Enghelab ("revolução") e Azadi ("liberdade"), empunha também bandeiras vermelhas, da cor do sangue dos "mártires", ou iranianas, mas também libanesas ou iraquianas. Nas ruas ouvem-se palavras de ordem como: "Morte à América", "Morte a Israel".

Numa referência ao general Soleimani e aos outros iranianos que morreram no ataque norte-americano, a televisão estatal está a transmitir imagens em direto de vistas aéreas da capital, ao mesmo tempo que afirma, em título, "ressurreição sem precedentes da capital iraniana para receber Haj Qassem e os mártires da resistência".

O general Qassem Soleimani, comandante da força de elite iraniana Al-Quds, morreu na sexta-feira num ataque aéreo contra o carro em que seguia, junto ao aeroporto internacional de Bagdade, ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

No mesmo ataque morreu também o número dois da coligação de grupos paramilitares pró-iranianos no Iraque, Abu Mehdi al-Muhandis, conhecida como Mobilização Popular [Hachd al-Chaabi], além de outras oito pessoas.

O ataque ocorreu três dias depois de um assalto inédito à embaixada norte-americana que durou dois dias e apenas terminou quando Trump anunciou o envio de mais 750 soldados para o Médio Oriente.

NATO discute crise nesta segunda-feira

Os embaixadores dos 29 países da NATO vão reunir-se extraordinariamente nesta segunda-feira para discutir a crise entre os Estados Unidos e o Irão, disse um porta-voz da organização à agência de notícias AFP. "O secretário-geral [Jens Stoltenberg] decidiu organizar esta reunião de embaixadores da NATO depois de ter discutido com os aliados", disse o porta-voz à AFP.

Os embaixadores dos 29 países da NATO reúnem-se regularmente em Bruxelas, várias vezes por semana, para discutir questões atuais e assuntos de interesse comum.

No sábado, a NATO anunciou que suspenderia as operações de treino no Iraque após a morte do general iraniano Qassem Soleimani durante um ataque norte-americano a Bagdad, no Iraque, na sexta-feira.

A missão da NATO no Iraque, que tem algumas centenas de militares, treina as forças do país desde outubro de 2018, a pedido do Governo iraquiano, para impedir o retorno do Estado Islâmico (EI).

O general Qassem Soleimani, comandante da força de elite iraniana Al-Quds, morreu na sexta-feira num ataque aéreo contra o carro em que seguia, junto ao aeroporto internacional de Bagdade, ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

No mesmo ataque morreu também o número dois da coligação de grupos paramilitares pró-iranianos no Iraque, Abu Mehdi al-Muhandis, conhecida como Mobilização Popular [Hachd al-Chaabi], além de outras oito pessoas.

O Irão prometeu vingança e anunciou no domingo que deixará de respeitar os limites impostos pelo tratado nuclear assinado em 2015 com os cinco países com assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas --- Rússia, França, Reino Unido, China e EUA --- mais a Alemanha, e que visava restringir a capacidade iraniana de desenvolvimento de armas nucleares. Os Estados Unidos abandonaram o acordo em maio de 2018.

No Iraque, o parlamento aprovou uma resolução em que pede ao Governo para rasgar o acordo com os EUA, estabelecido em 2016, no qual Washington se compromete a ajudar na luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico e que justifica a presença de cerca de 5.200 militares norte-americanos no território iraquiano.

Merkel e Putin debatem aumento da tensão no sábado

A chanceler alemã, Angela Merkel, vai visitar a Rússia no próximo sábado, a convite do Presidente russo, Vladimir Putin, para debater as tensões no Médio Oriente e o cumprimento dos acordos de Minsk, informou esta segunda-feira o Kremlin.

"Durante as conversações deverão ser debatidos temas da atualidade internacional, incluindo a situação na Síria, na Líbia e o aumento das tensões no Médio Oriente na sequência do ataque dos Estados Unidos contra o aeroporto de Bagdad, a 3 de janeiro", indicou o gabinete de imprensa da presidência russa.

O Kremlin também informou que durante a reunião entre Merkel e Putin serão analisados o cumprimento dos acordos de Minsk de 2015, que visaram pôr fim à guerra no leste da Ucrânia, e os alcançados sob o designado "formato de Normandia" (Ucrânia, Rússia, Alemanha e França) em 09 de dezembro, em Paris.

O acordo assinado na capital francesa comprometeu os líderes russo e ucraniano, nomeadamente, a trabalhar para um cessar-fogo "total" e efetivo até ao final do ano e para um intercâmbio completo dos respetivos presos.

Os intervenientes também acordaram implementar condições políticas e de segurança em quatro meses para permitir eleições locais em Dombass, mas não chegaram a acordo sobre o controle da fronteira russo-ucraniana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG