Moçambique cria postos de controlo do Ébola na fronteira com Maláui

Medida preventiva é defendida pela Organização Mundial da Saúde, preocupada com os casos de Ébola registados da República Democrática do Congo.

Moçambique está a estabelecer postos de controlo ao longo da fronteira com o Maláui para evitar que o surto de Ébola da República Democrática do Congo possa entrar no país.

Os viajantes que cheguem do Maláui são monitorizados com recurso a um scanner, disse Hidayate Kassim, diretor provincial de saúde da região da Zambézia, em Moçambique, citando relatos de casos suspeitos de Ébola no Maláui, que não foram confirmados. O Maláui não tem fronteira direta com a RD Congo, mas faz com a Zâmbia e a Tanzânia, ambos vizinhos do país cuja capital é Kinshasa.

O Ébola, um dos vírus mais letais, com uma taxa de mortalidade até 90%, está entre as poucas doenças que os governos consideram uma ameaça à segurança nacional. O surto atual na República Democrática do Congo, que começou em agosto de 2018, infetou mais de 2400 pessoas e matou mais de 1800, tornando-se a mais letal desde a epidemia de 2013.

Moçambique ainda não reportou qualquer caso de Ébola e os postos de controlo são uma medida de precaução. As autoridades sanitárias congolesas disseram esta semana que detetaram um terceiro caso de Ébola na cidade de Goma, no leste do país, um importante centro comercial de cerca de um milhão de pessoas, próximo à fronteira com o Ruanda.

Ruanda - que já fechou a fronteira com a RD Congo -, Uganda, Angola, Zâmbia, Tanzânia, República Centro-Africana, Burundi, Sudão do Sul e República do Congo fazem fronteira com a República Democrática do Congo. A Organização Mundial de Saúde declarou o atual surto de Ébola como uma emergência internacional de saúde pública em julho.

"A criação de postos de controlo do Ébola é uma diretriz do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde para impedir a propagação da doença para outros países", disse Kassim.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.