"Maduro usa estratégias populistas mas não é populista quem quer"

Entrevista a Francisco Panizza, professor da London School of Economics

O professor de Política Latino-Americana da London School of Economics esteve em Lisboa para a conferência intitulada "A complexa relação entre o populismo e a democracia", parte do Seminário de Especialização América Latina Hoje que já vai na 10.ª edição e decorre no ISCTE-IUL. Ao DN, o uruguaio Francisco Panizza fala do venezuelano Nicolás Maduro, das diferenças entre populismos latino-americanos e europeus e de como Donald Trump é o mais próximo do arquétipo de populista que existe atualmente.

Pode dizer-se que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, é um líder populista se as sondagens dizem que não tem o apoio popular?

Um populista diria que o apoio popular não se mede pelas sondagens, mas por ser capaz de representar o povo, encarnar a vontade popular. Que essa vontade popular não se define em termos de apoio de 20%, 30% ou 50%, mas por ser capaz de captar e interpretar os interesses do povo. Maduro continua claramente a usar estratégias populistas de identificação, por exemplo, atribuindo todos os males que acontecem na Venezuela a uma conspiração dos EUA, das hierarquias, reproduzindo a divisão na sociedade, dizendo que os antichavistas são os inimigos do povo... Mas não é populista quem quer, mas quem pode. Acho que Maduro está muito longe da relação de identificação que teve o povo com [Hugo] Chávez. Acho que há muito pouca gente que realmente pensa que Maduro encarna o povo venezuelano. O que não quer dizer que muita gente, não importa que percentagem, pense que o chavismo sim, representa o povo venezuelano. Há que diferenciar entre o chavismo e Maduro.

Isso quer dizer que a solução para a atual situação na Venezuela possa estar dentro do próprio chavismo?

Há pessoas na Venezuela que pensam que isso é uma alternativa, que se poderá superar dessa forma a situação crítica que se vive no país. Que a solução passaria justamente por alguém de dentro do que foi o movimento chavista, que era muito amplo, com muitas diferenças e contradições. Que esse alguém possa dar uma saída democrática à situação atual na Venezuela ou, pelo menos, criar um certo consenso para superar esta situação.

Os populistas existem dentro dos regimes democráticos, mas neste caso não estão previstas eleições...

Existem populismos que usam as eleições como forma de legitimação, mas também houve populismos autoritários. A encarnação do povo pode não se dar necessariamente por práticas eleitorais, plebiscitárias. Em muitos casos sim, Chávez usou-a. Mas há outras formas de o fazer, de dizer que representa o povo por outros mecanismos que não têm nada que ver com as eleições. Houve populismos muito autoritários.

Há anos que se fala dos populismos na América Latina e parece que só há pouco tempo se começou a falar de populismos na Europa ou nos EUA. Qual é a diferença entre eles?

Há diferenças e pontos de contacto. No caso da Europa, há movimentos populistas de esquerda, o caso mais típico é o Podemos de Espanha, que claramente se inspiram nos populismos latino--americanos. Mas há outros populismos diferentes, como Donald Trump nos EUA. Acho que isso mostra precisamente a maleabilidade dos populismos, que se adaptam e articulam de forma muito diferente. O que têm em comum é uma crise de legitimidade nas instituições políticas ou na ordem política existente, que é aproveitada por estes líderes.

É Trump o exemplo máximo do populismo atual?

Os populistas não são populistas o tempo todo e não se levantam de manhã a dizer que vão ser populistas. Mas Trump é o mais próximo do arquétipo do populismo. Preenche muitos requisitos. E não é que seja apenas populista, é muitas coisas mais, é um plutocrata, um empresário. O interessante de Trump, e não é caso único, é que mostra que não é preciso vir de baixo para se ser um populista. Só precisas identificar-te com os de baixo, mesmo que sejas um ultramilionário como Trump. Porque acho que o que o povo vê num líder como Trump e muitos outros na América Latina é alguém como eles, que tem ali as suas raízes, o que não significa que tenha nascido pobre, mas se identifica em termos de valores, culturalmente, com eles.

Como é que se pode derrotar um populista que tem essa ligação ao povo?

Acho que há duas formas de derrotar. Uma é o caso holandês, onde Mark Rutte ganha as eleições adotando muitas das posições do populista Geert Wilders sobre a imigração. Absorves algumas dessas questões e integras, tirando um pouco o oxigénio ao populismo. A consequência é que, desta forma, também o populismo ganha. A outra forma seria mais o caso de Emmanuel Macron, em França, onde decididamente houve um combate de valores, de contraste entre o que é a política de [Marine] Le Pen e a de Macron, pró-europeia, liberal, etc. Mas uma não é uma mais exitosa do que a outra. Talvez a forma de derrotar o populismo seja levar seriamente em conta o que as pessoas estão a sentir, o que estão a pedir, mas não lhes dar necessariamente as respostas que o populismo dá, articular respostas diferentes para problemas reais. O que não se pode dizer é que as pessoas são estúpidas ou estão a ser enganadas. As pessoas estão a manifestar preocupações reais, que sentem na sua vida quotidiana, e cabe aos políticos dar diferentes respostas, umas podem ser do populismo, outras alguma espécie de mimetismo desse populismo, mas tem de haver também respostas completamente diferentes dele.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.