Katie Hill. Jovem congressista democrata demite-se após escândalo sexual

Fotos e mensagens íntimas de Katie Hill, de 32 anos, foram publicadas na internet. Acusa o marido e rivais políticos de fazerem uma "campanha suja" e anuncia a sua demissão da Câmara dos Representantes.

A democrata Katie Hill decidiu apresentar a demissão, na segunda-feira, da Câmara dos Representantes, para a qual foi eleita pelo 25.º distrito do estado da Califórnia nas eleições de 2008, devido à divulgação de fotografias e mensagens comprometedoras, que foram publicadas na internet.

Num vídeo publicado no YouTube, aquela que era, aos 32 anos, uma das mais promissoras figuras políticas do Partido Democrata e uma das mais novas de sempre a chegar ao Capitólio, acusou o marido, do qual se está a divorciar, e agentes políticos de utilizarem as fotos íntimas como uma arma contra ela, além de considerar tratar-se de "uma distração à crise constitucional que os Estados Unidos enfrentam e ao trabalho crítico" dos seus colegas.

Num anúncio emocionado, no qual quase não conteve as lágrimas, Katie Hill lembrou que nunca se assumiu como uma pessoa perfeita: "Nunca imaginei que as minhas imperfeições fossem usadas como arma e fossem usadas para tentarem destruir a minha pessoa e a comunidade que amei durante toda a minha vida. Por isso, peço muitas desculpas."

Hill admitiu estar "magoada" e "zangada" com todo este episódio, mas garante que a sua luta não terminou, prometendo por isso "continuar a luta pela democracia, justiça e igualdade" para que possa contribuir para que "o mundo seja um lugar melhor".

Acusada de violar regras do Capitólio

Katie Hill é acusada de se envolver num relacionamento com um membro da sua equipa no Congresso e de ter mantido relações com uma assistente da sua campanha, sendo que as fotos e mensagens agora divulgadas têm a ver com este último caso.

Na última quarta-feira, a Comissão de Ética da Câmara dos Representantes abriu uma investigação depois de Katie Hill ter sido acusada de manter relações impróprias com um seu subordinado, Graham Kelly. Isto porque desde fevereiro de 2018, as regras do Capitólio proíbem relacionamentos íntimos entre os legisladores e os seus assistentes ou funcionários, como forma de precaver os casos de abuso de poder e assédio sexual. Na prática, Katie Hill poderá ser a primeira a ser apanhada nas malhas desta lei, aprovada por largo consenso.

Refira-se que Katie Hill negou categoricamente o caso com Graham Kelly, mas admitiu ter tido um caso com a assistente de campanha, que não pode ser abrangido pelos regulamentos do Capitólio. "Foi inapropriado, mas deixei acontecer", admitiu.

O jornal britânico Daily Mail publicou as fotografias em que a congressista aparece nua, além das mensagens de texto com a assistente de campanha e desta com o marido de Kelly Hill, que justifica as suspeitas levantadas pelo site conservador RedState, sobre a existência de uma relação a três. Na sequência desta divulgação, a congressista acusou o marido de fazer "uma campanha suja", prometendo que irá apresentar uma ação em tribunal contra ele por violação da sua privacidade.

"Tomo a decisão de me demitir para que a minha família, a minha equipa e a minha comunidade deixem de objeto do sofrimento causado pelo meu marido e pela brutalidade de agentes políticos cheios de ódio. Não quero por isso ser uma distração", justificou Kelly Hill no vídeo em que anuncia a sua retirada de cena.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG