Depois dos EUA, Hong Kong, Canadá e Itália também retiram cidadãos do navio Diamond Princess

O número de pessoas infetadas com o coronavírus Covid-19 do navio de cruzeiro Diamond Princess em quarentena no Japão aumentou para 355, anunciou este domingo o ministro da Saúde nipónico, Katsunobu Kato.

Nas últimas 24 horas foram confirmados mais 70 casos. Kato adiantou, numa declaração na emissora pública NHK, que foram testadas 1 219 pessoas até ao momento. O Diamond Princess, que atracou em Yokohama, uma cidade portuária a sudoeste de Tóquio, foi colocado em quarentena com mais de 3 600 pessoas a bordo.

Perante estes números, já há três países que se preparam para retirar os seus cidadãos do navio. Cerca de 400 norte-americanos que se encontram no navio deverão ser repatriados este domingo, segundo a embaixada dos Estados Unidos em Tóquio.

Também Hong Kong anunciou que vai arranjar um voo para evacuar as 330 pessoas do território que estão a bordo. E o governo canadiano também já fretou um avião para trazer cerca de 250 cidadãos para casa, "devido às circunstâncias extraordinárias enfrentadas pelos passageiros da Diamond Princess e para aliviar a carga sobre o sistema de saúde japonês", conforme referido num comunicado oficial.

Luigi di Magio, ministro dos Negócios Estrangeiros italianos, informou também este domingo que a sua prioridade é "levar os italianos para casa" Há 35 italianos a bordo, todos saudáveis neste momento. "Uma parte dos italianos a bordo fazem parte da tripulação" do navio, explicou, dando como exemplo o comandante. "Estamos prontos para trazer de volta todos aqueles que desejem voltar."

Os media australianos informaram ainda que Canberra também está a considerar a opção de retirada dos seus cidadãos nacionais.

No entanto, apenas os viajantes saudáveis poderão sair do navio. Todos os que apresentem sintomas de gripe ou que se confirme que estão infetados permanecerão na embarcação.

Nem todas as 3 711 pessoas a bordo do navio foram já submetidas aos exames que permitiriam estabelecer a sua possível contaminação. "Até agora, testámos 1 219 pessoas", disse o ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, na televisão pública japonesa NHK, acrescentando que várias dezenas de pessoas entre os 355 contaminados não apresentavam sintomas da doença. Os casos confirmados são desembarcados e transferidos para hospitais japoneses especialmente equipados.

Uma reunião com especialistas e o gabinete do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, está agendada para a tarde de domingo, para avaliar a situação e eventuais medidas adicionais para conter a propagação do vírus.

A quarentena de passageiros da Diamond Princess está programada para terminar em 19 de fevereiro, mas desenvolvimentos recentes podem afetar esse calendário.

(Notícia atualizada às 14.30 com as informações referentes a Itália)

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG