Tufão Manghkut deixa pelo menos 49 mortos e 40 desaparecidos nas Filipinas

A maioria dos mortos foram vítimas de deslizamentos de terra em zonas montanhosas, dizem as autoridades locais

O tufão Mangkhut tocou este domingo terra no sul da China, depois de uma passagem devastadora pelas Filipinas onde fez pelo menos 49 mortos e soterrou cerca de 40 mineiros, que estão desaparecidos.

A tempestade tropical, considerada a mais forte deste ano, provocou chuvas torrenciais e ventos ciclónicos que fizeram colapsar a encosta de uma montanha na aldeia remota de Itogon, na província de Benguet (norte).

A terra que se desprendeu abateu-se sobre os alojamentos dos mineiros. Segundo a polícia, sete corpos já foram retirados, mas há pelo menos 40 pessoas desaparecidas.

Vários pontos do arquipélago filipino foram devastados pelo tufão e o balanço provisório de vítimas no país é de 49 mortos, segundo a polícia.

A maioria dos mortos foram vítimas de deslizamentos de terra nas zonas montanhosas, de acordo com as autoridades.

No norte das Filipinas, eletricidade e comunicações foram cortados na maior parte da zona abrangida pela trajetória do tufão, onde vivem cerca de 5 milhões de pessoas, criando dificuldades adicionais na contabilização de vítimas e estragos.

No norte da ilha de Luçon, a maior das Filipinas, o tufão devastou vastas zonas agrícolas provocando inundações e deslizamentos de terra. Na cidade de Baggao, a tempestade arrancou telhados e linhas de alta tensão e as estradas estão quase todas cortadas, por inundações ou por deslizamentos de terras.

O tufão perdeu alguma força ao atravessar as Filipinas e chegou ao território chinês hoje, às 17:00 locais (10:00 em Lisboa), na província de Guangdong, a cerca de 50 Km a oeste de Macau, com ventos de 162 Km/h.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."