Trump vai assinar ordem executiva a promover inteligência artificial. Mas não lhe destina fundos

A corrida pela Inteligência Artificial chegou, finalmente, à Casa Branca e Donald Trump vai assinar uma ordem executiva para estimular os esforços americanos para garantir a tecnologia que marcará o futuro.

Espera-se que o presidente dos EUA, Donald Trump, assine uma ordem executiva na segunda-feira com o propósito de estimular o desenvolvimento e a regulamentação da inteligência artificial, tecnologia que muitos especialistas acreditam que definirá o futuro.

Segundo o The New York Times, o pedido à administração de Trump para tornar o desenvolvimento da inteligência artificial uma prioridade não é novo e vem de especialistas da indústria por todo o país. A preocupação com o atraso dos Estados Unidos em relação à China e a outros países já era sentida desde a primavera passada, a ponto de Jim Mattis, então secretário da Defesa, ter enviado um memorando à Casa Branca solicitando uma estratégia nacional sobre a inteligência artificial.

Agora, Donald Trump está prestes a dar esse passo, embora possa não ser tão ousado como alguns esperavam.

Esta ordem executiva visa educar melhor os trabalhadores, melhorar o acesso aos serviços de computação, os dados necessários para construir sistemas de inteligência artificial e promover a cooperação com potências estrangeiras, segundo uma autoridade do governo. O que a ordem executiva não visa é a reserva de fundos para a pesquisa e desenvolvimento de inteligência artificial e a administração forneceu poucos pormenores sobre como pôr em prática as suas novas políticas, segundo The New York Times.

A razão por detrás desta corrida pela inteligência artificial é a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. E mesmo que empresas americanas como a Google e a Amazon sejam agora líderes no campo da inteligência artificial, os especialistas norte-americanos estão preocupados que a China possa superar os Estados Unidos no desenvolvimento de tecnologias que alimentem sistemas de vigilância e armas autónomas, assim como carros que se conduzam sozinhos e uma maior gama de serviços de internet.

O aumento dos investimentos na inteligência artificial tem-se verificado no mundo inteiro, Coreia do Sul, Inglaterra, França e Canadá são apenas alguns dos países. Mas o maior exemplo é a China, que em julho de 2017 anunciou um plano para se tornar líder mundial em inteligência artificial, com o objetivo de criar uma indústria de cerca de 135 biliões de euros até 2030.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.