Trump queixa-se (outra vez) de McCain: "Nem me agradeceram o funeral"

Presidente americano insiste nos ataques ao antigo senador republicano, que morreu há sete meses. "Eu dei-lhe o tipo de funeral que ele queria", afirmou. Mas nem isso é verdade: foi o Congresso que aprovou o funeral de Estado.

Donald Trump voltou a atacar o antigo senador americano John McCain, que morreu em agosto passado com um cancro no cérebro. Nem depois da morte, o Presidente americano dá tréguas a um crítico seu, membro do mesmo Partido Republicano que o fez eleger para a Casa Branca.

Nos últimos dias, Trump atacou por várias vezes quem já não se pode defender, usando o Twitter, e a filha de McCain, Meghan, criticou-o na mesma rede social. Esta quarta-feira, o Presidente americano voltou ao ataque, falando numa visita a uma fábrica de tanques militares, no Ohio, sete meses depois da morte do senador.

Trump queixou-se de que "não recebeu um agradecimento" pelo funeral de Estado dado ao antigo veterano da guerra do Vietname. Reconhecendo que "não era fã de John McCain", o presidente atirou aos trabalhadores da fábrica, citado pela BBC: "Eu dei-lhe o tipo de funeral que ele queria, e que, como presidente, eu tinha que aprovar."

No jeito desengonçado com que costuma discursar, Donald Trump acrescentou ainda: "Eu não me importo com isso, eu nem recebi um agradecimento [pelo funeral]. Tudo bem."

Trump aprovou o voo militar com os restos mortais de McCain, do Arizona, de onde era natural, para Washington, mas foi o Congresso que concedeu ao antigo senador a honra de funerais de Estado.

O presidente americano tem acusado John McCain de ter estado do lado dos democratas, como no Obamacare ou na suposta entrega ao FBI e à comunicação social de um dossiê que Trump alega ser "falso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.