Trump diz que novas taxas sobre aço e alumínio serão "justas" e "flexíveis"

Presidente norte-americano anuncia esta quinta-feira as novas tarifas de importação destes metais. A intenção era de impor 25% sobre o aço e 10% ao alumínio

O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que as taxas sobre a importação de aço e alumínio, que deverá anunciar até ao final do dia, serão "justas e flexíveis", abrindo a porta a possíveis isenções para alguns países.

A Casa Branca anunciou que Trump assinará ainda hoje, dia 8, a ordem, que anunciou há uma semana, para a aplicação de tarifas aduaneiras sobre as importações daqueles metais.

"Vamos ser muito justos, vamos ser muito flexíveis", disse Trump, a poucas horas de uma reunião na qual poderá promulgar as taxas capazes de abrir uma guerra comercial entre os Estados Unidos e vários outros Estados, incluindo com a União Europeia.

Trump anunciou que tinha a intenção de impor uma taxa de 25% sobre importação de aço para os Estados Unidos e 10% sobre as de alumínio.

O anúncio relativo às taxas levantou críticas dos parceiros comerciais mas também no seio do Partido Republicano - que o apoiou na corrida à presidência - e mesmo dentro da sua própria administração, na Casa Branca.

A nova lei das taxas poderá ser assinada no decorrer ou após uma receção de Trump, na Casa Branca, a membros da indústria do aço e do alumínio norte-americana bem como de trabalhadores destes dois setores. O encontro está marcado para as 20:30 (hora de Lisboa), mas ainda não está claro se Trump vai assinar uma lei, se vai assinar algum documento simbólico ou se não vai assinar nada.

Em breves declarações à imprensa após uma reunião do seu Executivo, Trump deixou entender que alguns países poderão ficar isentos, entre eles o Canadá, o México e a Austrália.

"Temos muito boas relações com a Austrália, temos um excedente comercial com a Austrália, um país formidável, um parceiro desde há muito tempo. Faremos alguma coisa com eles", declarou.

"Vamos fazer qualquer coisa em relação a outros países", acrescentou o Presidente norte-americano, reiterando o tom crítico para com a Alemanha, não só na questão das trocas comerciais como em matéria de contribuições da Defesa no seio da NATO.

Trump também sublinhou que o impacto da sua decisão relativamente ao México e ao Canadá vai depender das negociações em curso no seio do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA), do qual os EUA também são signatários.

"Se chegarmos a acordo, é muito provável que não imponhamos taxas a estes dois países", declarou. O México é um dos maiores exportadores de aço para os Estados Unidos, tal como o Canadá, a Coreia do Sul, o Brasil e a China.

O Canadá, principal parceiro comercial dos EUA e fornecedor número um de aço para o mercado norte-americano, exerceu forte pressão nos últimos dias sobre a administração Trump, bem como lobbying junto do líder da maioria Republicana no Congresso, Paul Ryan.

Do outro lado do Atlântico, os responsáveis da União Europeia já avisaram que já estavam a preparar uma contra-resposta para as eventuais taxas.

Todos os anos, os Estados europeus exportam cerca de 5 mil milhões euros em aço e mil milhões de euros em alumínio para os Estados Unidos. A comissária de Comércio Externo da UE já anunciou uma lista detalhada de produtos norte-americanos - como a manteiga de amendoim - que seriam taxados para compensar as perdas causadas à indústria europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.