Salih Khater: o britânico de origem sudanesa suspeito do ataque em Londres

Os meios de comunicação britânicos divulgaram esta quarta-feira que o suspeito do incidente de terça-feira no Parlamento, que está a ser tratado como um ato de terrorismo, é Salih Khater de 29 anos e vive em Birmingham.

Segundo o jornal britânico Guardian, o suspeito foi preso no local pelos policiais depois do Ford Fiesta prateado que Salih Khater conduzia colidiu com as barreiras de segurança na rua St.Margaret, junto ao Palácio de Westmister, por volta das 7.40 de terça-feira. Vários peões e ciclistas foram atropelados pelo caminho e três pessoas ficaram feridas no ataque, embora nenhuma corra risco de vida.

O homem está sob custódia policial e a Scotland Yard veio esclarecer que o suspeito não estava referenciado pelos serviços de segurança. Mas por se tratar de parecer um ato deliberado, o incidente está a ser tratado como um suposto atentado terrorista.

A Press Association (PA) encontrou uma página no Facebook de um homem com o mesmo nome do suspeito e que indica que este mora em Birmingham, trabalha como gerente de loja e estudou na Sudan University of Science and Technology.

Vizinhos do suspeito disseram a PA que partilha uma casa, na área de Radford, em Birmingham, com mais seis sudaneses. E o jornal Nottingham Post noticiou que o carro envolvido no suposto ataque foi comprado a 20 de junho deste ano e está registado no mesmo endereço do suspeito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.