Salih Khater: o britânico de origem sudanesa suspeito do ataque em Londres

Os meios de comunicação britânicos divulgaram esta quarta-feira que o suspeito do incidente de terça-feira no Parlamento, que está a ser tratado como um ato de terrorismo, é Salih Khater de 29 anos e vive em Birmingham.

Segundo o jornal britânico Guardian, o suspeito foi preso no local pelos policiais depois do Ford Fiesta prateado que Salih Khater conduzia colidiu com as barreiras de segurança na rua St.Margaret, junto ao Palácio de Westmister, por volta das 7.40 de terça-feira. Vários peões e ciclistas foram atropelados pelo caminho e três pessoas ficaram feridas no ataque, embora nenhuma corra risco de vida.

O homem está sob custódia policial e a Scotland Yard veio esclarecer que o suspeito não estava referenciado pelos serviços de segurança. Mas por se tratar de parecer um ato deliberado, o incidente está a ser tratado como um suposto atentado terrorista.

A Press Association (PA) encontrou uma página no Facebook de um homem com o mesmo nome do suspeito e que indica que este mora em Birmingham, trabalha como gerente de loja e estudou na Sudan University of Science and Technology.

Vizinhos do suspeito disseram a PA que partilha uma casa, na área de Radford, em Birmingham, com mais seis sudaneses. E o jornal Nottingham Post noticiou que o carro envolvido no suposto ataque foi comprado a 20 de junho deste ano e está registado no mesmo endereço do suspeito.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.