Shutdown nos EUA: Trump bate recorde de Clinton

O presidente dos EUA tinha avisado que o encerramento parcial dos serviços federais podia "durar meses, até anos". Para já é o mais longo da história, deixando milhões de pessoas em dificuldades.

Na sexta-feira, os 800 mil funcionários federais afetados pelo encerramento parcial dos serviços federais norte-americanos sentiram na pele - ou antes, na conta bancária - os efeitos da medida. Todos ficaram sem receber salário, embora cerca de metade esteja em casa, e a outra, considerada essencial, esteja a trabalhar sob requisição.

Os funcionários públicos perdem o direito aos vencimentos?

Até agora é assim que funciona. Mas na sexta-feira a Câmara dos Representantes aprovou uma lei, com 411 votos a favor e sete contra, que prevê a restituição salarial em retroativos. Aprovada pelo Senado, segue para a Sala Oval, para ser promulgada ou vetada por Donald Trump.

O que ficou afetado pelo encerramento parcial?

Um quarto dos funcionários federais, ou seja, 800 mil, da maioria dos ministérios (departamentos), como o de Estado, da Justiça, de Segurança Interna e das agências federais, fechando museus e monumentos e afetando quer os funcionários do fisco quer os vigilantes dos parques nacionais, por exemplo.

O que levou ao shutdown?

A crise foi provocada pelo presidente norte-americano. Ao ver que o Orçamento aprovado na Câmara dos Representantes - na altura ainda de maioria republicana - não incluía financiamento para a construção parcial do muro com o México, o presidente insistiu na necessidade de 5,7 mil milhões de dólares (5 mil milhões de euros) para acabar com o que chamou de "crise" na fronteira. Uma crise causada pela entrada ilegal de imigrantes, de terroristas e de drogas, alega.

Por que não há financiamento para o muro?

Os democratas - e alguns republicanos - discordam da construção do muro. É considerado um projeto caro, ineficaz e que não resolve os problemas de fundo da imigração. Por outro lado, as acusações de Trump de que a morte das duas crianças imigrantes sob custódia das autoridades norte-americanas foi culpa dos democratas cavaram um fosso maior.

Que consequências para a economia do país?

A agência de notação Standard & Poor's calculou que a paralisação custou 3,6 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros) até sexta-feira. Se permanecer assim mais duas semanas o prejuízo vai superar o que Donald Trump exige para a construção do muro, avisa a empresa. "Enquanto alguns impactos indiretos podem ser recuperados quando os serviços da administração federal forem abertos, os impactos diretos são irreparáveis, informou a S&P em comunicado. "A perda de produtividade e de funcionários na atividade económica não será recuperada."

Qual foi o mais longo encerramento parcial?

No dia 16 de dezembro de 1995, o presidente Bill Clinton, em discórdia com a maioria republicana no Congresso acerca do financiamento de setores como a saúde, educação e meio ambiente no Orçamento de 1996, A crise durou 21 dias e terminou no dia 6 de janeiro de 1996, quando republicanos e democratas chegaram a um acordo sobre o Orçamento. O encerramento já tinha sido precedido de outro mais curto, de cinco dias, em novembro.

Há algum acordo em negociação?

Neste momento não. Na quarta-feira, a última reunião do presidente com a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e com o líder da minoria do Senado, Chuck Schumer, demorou apenas 14 minutos. "Uma perda total de tempo", escreveu no Twitter. "Perguntei o que vai acontecer em 30 dias se eu desbloquear as contas rapidamente, vão aprovar a segurança na fronteira, que inclui um muro ou vedações de aço? Nancy disse não. Eu disse tchau, nada funciona!". O senador republicano Lindsey Graham tentou levar para a mesa a hipótese da legalização das centenas de milhares de imigrantes que chegaram aos EUA em crianças. Mas não houve progressos.

Trump vai declarar emergência nacional?

Já disse mais do que uma vez que está a considerar a hipótese. É a saída mais airosa que o presidente tem para sair da armadilha que montou. Por lei, ficaria com autoridade para alocar dinheiro do orçamento militar para projectos de construção do muro. É uma tática que poderia deixar quer Trump quer os democratas reivindicar vitória e acabar com o shutdown. Trump poderia dizer que iria cumprir a promessa de campanha eleitoral. Os democratas poderiam dizer que não cederam e iriam interpor ações judiciais para bloquear a medida alegando abuso de autoridade de Trump. A meio do novo capítulo de conflito, já em terreno judicial, Trump poderia finalmente assinar legislação que reabrisse os serviços federais. Num encontro com líder locais na sexta-feira à noite (hora portuguesa), o presidente dos EUA foi citado a dizer: "A solução mais fácil era eu declarar emergência nacional... mas não vou fazer isso tão depressa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.