60 ONG europeias pedem à Grécia libertação de dois voluntários detidos

60 organizações humanitárias europeias (ONG) pediram esta sexta-feira às autoridades gregas a libertação de Sarah Mardini e Sean Binder, voluntários da ONG grega ERCI, detidos em 21 de agosto na ilha de Lesbos sob a acusação de tráfego humano e outros crimes graves.

"A detenção de Sarah Mardini e Sean Binder é o caso mais recente de uma tendência europeia de criminalizar a solidariedade", sublinham em comunicado conjunto as 60 organizações humanitárias de vários países europeus.

As organizações qualificaram como "intolerável" que existam práticas estatais que penalizem a solidariedade de cidadãos para com os imigrantes, por colocarem em risco os valores europeus fundamentais, incluindo a justiça e os direitos humanos.

A polícia grega acusa Mardini e Binder de terem facilitado a entrada na Grécia de centenas de migrantes entre agosto de 2016 e janeiro de 2018; de espionagem, por terem acompanhado sistematicamente as comunicações dos guardas-costeiros gregos e da Frontex; e de lavagem de dinheiro através das contas bancárias da ONG.

Yaris Pétsikos, o advogado de Mardini e Binder, já questionou as acusações e solicitou a libertação dos seus clientes.

Segundo Petsikos, a maioria dos supostos atos em que supostamente participaram ocorreram quando os arguidos não se encontravam na Grécia.

Mardini ficou célebre em 2015 quando, com a sua irmã Yursa, conduziu a nado até Lesbos uma embarcação que se encontrava à deriva com uma dezena de refugiados, incluindo elas mesmas.

Ambas obtiveram asilo político na Alemanha e Sarah foi convidada pelo então presidente dos EUA, Barack Obama, a discursar na Assembleia Geral das Nações Unidas sobre a crise dos refugiados.

Yursa participou nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro como membro da equipa de refugiados, e tornou-se na mais jovem embaixadora de boa vontade da ONU.

Esta iniciativa coincidiu com o anúncio de uma greve pelos funcionários do campo migratório de Moria em Lesbos, com mais de 8.000 residentes, devido ao excesso de população do centro e onde o Governo reconhece uma situação "limite".

Com 8.388 residentes oficialmente recenseados para 3.100 lugares, o campo, primeira porta de entrada migratória na Grécia, ultrapassou todos os recordes de densidade destes centros, refere o comité do pessoal em comunicado.

A situação é "muito difícil, ou no limite", reconheceu o ministro da Política migratória, Dimitris Vitsas, em resposta a um apelo à ajuda emitido pelo responsável municipal da ilha.

Ao exigirem medidas para aliviar a situação no campo, e no imediato aumentar a vigilância policial para proteger residentes e pessoal, os funcionários anunciaram uma greve de zelo a partir de sábado, e uma paralisação do trabalho na segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.