60 ONG europeias pedem à Grécia libertação de dois voluntários detidos

60 organizações humanitárias europeias (ONG) pediram esta sexta-feira às autoridades gregas a libertação de Sarah Mardini e Sean Binder, voluntários da ONG grega ERCI, detidos em 21 de agosto na ilha de Lesbos sob a acusação de tráfego humano e outros crimes graves.

"A detenção de Sarah Mardini e Sean Binder é o caso mais recente de uma tendência europeia de criminalizar a solidariedade", sublinham em comunicado conjunto as 60 organizações humanitárias de vários países europeus.

As organizações qualificaram como "intolerável" que existam práticas estatais que penalizem a solidariedade de cidadãos para com os imigrantes, por colocarem em risco os valores europeus fundamentais, incluindo a justiça e os direitos humanos.

A polícia grega acusa Mardini e Binder de terem facilitado a entrada na Grécia de centenas de migrantes entre agosto de 2016 e janeiro de 2018; de espionagem, por terem acompanhado sistematicamente as comunicações dos guardas-costeiros gregos e da Frontex; e de lavagem de dinheiro através das contas bancárias da ONG.

Yaris Pétsikos, o advogado de Mardini e Binder, já questionou as acusações e solicitou a libertação dos seus clientes.

Segundo Petsikos, a maioria dos supostos atos em que supostamente participaram ocorreram quando os arguidos não se encontravam na Grécia.

Mardini ficou célebre em 2015 quando, com a sua irmã Yursa, conduziu a nado até Lesbos uma embarcação que se encontrava à deriva com uma dezena de refugiados, incluindo elas mesmas.

Ambas obtiveram asilo político na Alemanha e Sarah foi convidada pelo então presidente dos EUA, Barack Obama, a discursar na Assembleia Geral das Nações Unidas sobre a crise dos refugiados.

Yursa participou nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro como membro da equipa de refugiados, e tornou-se na mais jovem embaixadora de boa vontade da ONU.

Esta iniciativa coincidiu com o anúncio de uma greve pelos funcionários do campo migratório de Moria em Lesbos, com mais de 8.000 residentes, devido ao excesso de população do centro e onde o Governo reconhece uma situação "limite".

Com 8.388 residentes oficialmente recenseados para 3.100 lugares, o campo, primeira porta de entrada migratória na Grécia, ultrapassou todos os recordes de densidade destes centros, refere o comité do pessoal em comunicado.

A situação é "muito difícil, ou no limite", reconheceu o ministro da Política migratória, Dimitris Vitsas, em resposta a um apelo à ajuda emitido pelo responsável municipal da ilha.

Ao exigirem medidas para aliviar a situação no campo, e no imediato aumentar a vigilância policial para proteger residentes e pessoal, os funcionários anunciaram uma greve de zelo a partir de sábado, e uma paralisação do trabalho na segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?