Senado revoga estado de emergência. "VETO!", promete Trump

12 senadores republicanos juntaram-se aos democratas para aprovar a revogação da declaração de emergência nacional na fronteira entre os EUA e o México, desafiando o presidente.

59-41. Foi este o resultado da votação no Senado que determina a suspensão da declaração de emergência nacional na fronteira entre os EUA e o México. 12 senadores republicanos juntaram-se aos democratas, desafiando o presidente. Donald Trump, que declarou a emergência nacional em fevereiro, de forma a obter o financiamento para a construção do muro que prometeu construir para impedir a entrada de imigrantes ilegais, terá agora de exercer o seu direito de veto. O primeiro desde que chegou à Casa Branca, em janeiro de 2017.

O presidente reagiu logo no Twitter com uma única palavra: "VETO!"

Pouco depois, numa outra publicação na rede social, Donald Trump reafirmou que o país precisa de um muro na fronteira com o México.

"Estou ansioso por vetar a resolução inspirada pelos Democratas que acabou de ser aprovada, que vai abrir as fronteiras e aumentar o crime, as drogas e o tráfico no nosso país. Agradeço a todos os fortes Republicanos que votaram para apoiar a segurança na fronteira, nós precisamos desesperadamente do muro", defendeu.

Esta foi a segunda vez em dois dias em que o Senado - onde os republicanos até reforçaram a maioria nas eleições intercalares de novembro em que perderam o controlo da Câmara dos Representantes - desafiou o presidente. A primeira foi quando aprovaram uma resolução para pôr fim ao apoio americano à coligação liderada pela Arábia Saudita no Iémen. Um claro contraste com a política da Casa Branca em relação ao reino saudita.

Depois de dois anos de mandato em que os seus republicanos dominavam ambas as câmaras do Congresso, Trump terá agora de usar pela primeira vez o veto presidencial.

Com um veto presidencial, a declaração de emergência nacional regressa à Câmara de Representantes, onde será preciso uma maioria qualificada de 2/3 para rejeitar de novo a proposta de Donald Trump.

Entre os senadores Republicanos que votaram ao lado dos Democratas, surgem nomes relevantes do partido, como Mitt Romney, do Utah, que foi candidato presidencial em 2012.

Perante a recusa da maioria democrata em aprovar o financiamento para o muro na fronteira com o México, Trump declarou emergência nacional, conseguindo assim acesso a fundos que lhe estariam vedados numa situação normal.

Trump alertara no Twitter que os senadores republicanos que votassem pelo fim da declaração de emergência estaria a votar em Nancy Pelosi - a presidente da Câmara dos Representantes - e nos "democratas por uma fronteira aberta e pelo crime".

Exclusivos