Quatro países onde a guerra é o dia-a-dia

ONU emitiu alerta de fome no Iémen, Nigéria, Somália e Sudão do Sul. Conflitos são em grande parte responsáveis pela situação.

Sudão do Sul. A mais jovem nação do mundo

Independente desde 2011, a mais jovem nação do mundo separou-se do Sudão depois de décadas de guerra, mas não se livrou dos conflitos. Desde 2013 que o país vive uma guerra civil que reflete as divisões étnicas. Tudo começou quando o presidente Salva Kiir, da etnia dinka, demitiu o governo e afastou o vice-presidente, Riek Machar, de etnia nuer. A ONU já alertou mesmo para a possibilidade de um genocídio, com a violência a já ter feito mais de três milhões de deslocados, apesar da presença de 12 mil capacetes azuis no país. Rico em petróleo, o Sudão do Sul só tem no entanto 200 km de estradas alcatroadas, sendo muito difícil a ajuda chegar às zonas mais remotas. Com uma população estimada em 12,5 milhões de pessoas, se não receber apoio da comunidade internacional, o país pode ficar com 5,5 milhões dos seus habitantes em risco de fome até julho.

Nigéria. Sob a ameaça dos militantes do Boko Haram

A antiga colónia britânica tem uma história cheia de golpes e contra-golpes. Mas nos últimos anos, a maior ameaça à estabilidade do país mais populoso de África têm sido os ataques do grupo islamita Boko Haram. Os militantes ganharam destaque internacional após o sequestro em 2014 de 276 raparigas de uma escola na aldeia de Chibok. O rapto deu origem a uma campanha internacional nas redes sociais ligada ao hashtag BringBackOurGirls (tragam as nossas meninas de volta) que contou com o apoio de várias personalidades entre as quais a então primeira-dama dos EUA, Michelle Obama. Empenhado em construir um califado que obedeça à lei islâmica (sharia) no Norte da Nigéria, de maioria muçulmana, o Boko Haram tem realizado também ataques nos países vizinhos. Os cristãos (cerca de 40% da população) têm fugido destas zonas. Um dos maiores produtores de petróleo, a Nigéria tem enfrentado anos de recessão devido ao fraco investimento estrangeiro motivado pela violência.

Iémen. A guerra de todos contra todos

Apesar da unificação entre o Norte e o Sul comunista em 1990, o Iémen continua a ressentir-se das velhas divisões. Em 2009 confrontos entre exército e rebeldes houtis no Norte fizeram centenas de mortos e mais de 250 mil deslocados. Mas foi em 2011 que, inspirados pela Primavera Árabe, protestos populares tentaram afastar o presidente Ali Saleh. A guerra civil instalou-se definitivamente em 2014, com o país de 27 milhões de habitantes a servir de palco a vários grupos islamitas - da Al-Qaeda ao Estado Islâmico - e a ser usado como tabuleiro no xadrez das potências regionais. No poder desde 2012, o presidente Abd Rabbuh Mansour Hadi fugiu do país (um dos mais pobres do mundo) em 2015, após os houtis - da minoria xiita e apoiados pelo Irão - conquistarem a capital. Desde então, o Iémen encontra-se num limbo político e em crise humanitária. Arábia Saudita e outros oito países de maioria sunita têm realizado bombardeamentos para voltar a instalar Hadi no poder. O conflito já fez milhares de mortos e deixou os mais frágeis em risco de fome.

Somália. Ainda a ameaça das milícias al-Shabab

Mergulhada na anarquia desde o fim do regime militar de Siad Barre em 1991, a Somália foi palco de uma intervenção da Etiópia, primeiro, e mais tarde das tropas da União Africana em 2006 quando uma coligação de tribunais islâmicos se apoderou da capital, Mogadiscio, e de grande parte da zona sul do país. Com 10,8 milhões de habitantes, o antigo protetorado britânico vive desde 2012 com um governo apoiado pela comunidade internacional. Eleito no início deste ano, o presidente Mohamed Abdullahi Mohamed, que tem dupla nacionalidade, americana e somali, manifestou o desejo de negociar com os militantes do grupo islamita al-Shabab. As milícias chegaram a controlar Mogadíscio antes de serem expulsar da capital em 2011, mas continuam a realizar ataques a tiro e à bomba.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.