Príncipe Carlos: "Quando for rei não farei o que faço enquanto herdeiro. Não sou estúpido"

Num comentário da BBC, o príncipe de Gales esclareceu que irá "atuar de acordo com os parâmetros constitucionais". "Não vou intrometer-me. Não sou assim tão estúpido", sublinhou

O príncipe Carlos, herdeiro do trono britânico, garante que quando for rei não irá ser um ativista ou abordar publicamente temas sobre os quais tem mostrado posições bem vincadas.

"Não, não vou intrometer-me. Não sou assim tão estúpido. Eu compreendo que ser um soberano obriga a uma forma de atuar diferente. Por isso, é óbvio que entendo absolutamente como tudo funciona", afirmou o príncipe de Gales num documentário da BBC para assinalar o seu 70.º aniversário, que vai comemorar no próximo dia 14 de novembro.

"Decididamente, quando for rei não farei as mesmas coisas que faço enquanto herdeiro e, assim sendo, vou atuar de acordo com os parâmetros constitucionais", acrescentou antes de admitir a possibilidade de usar a prerrogativa de convocar reuniões de estado: "Nunca se sabe. Mas só é possível fazê-lo com a concordância dos ministros. É assim que funciona."

Neste documentário, o príncipe Carlos procura clarificar que a sua atuação enquanto príncipe não terá nada a ver com aquela que terá quando um dia for rei. "É fundamental lembrar que só há espaço para um soberano de cada vez, não dois", frisou. "Eu não posso ser ao mesmo tempo rei e príncipe de Gales ou herdeiro do trono, mas algumas pessoas têm a ideia de que eu vou ser o mesmo se tiver de ser rei, o que é um completo absurdo, pois são funções completamente distintas", sublinhou.

Neste documentário, Camila Shand, a duquesa de Cornualha e mulher de Carlos, garantiu o príncipe "sabe qual será o seu destino", garantindo que a sua coroação como rei não é algo que faça parte das conversas do casal. "É apenas uma coisa que vai acontecer", sentenciou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.