"Presidential alert". Trump vai mandar SMS para todos os americanos

Administração vai testar um sistema de alertas que será usado em caso de emergências nacionais

A mensagem vai ter como antetítulo "Presidential alert", ou seja, alerta presidencial, e os telemóveis vai fazer um som agudo e uma vibração especial quando a receberem. Na próxima quinta-feira, a FEMA (Federal Emergency Management Agency) vai enviar um SMS para os telemóveis de todos os americanos em nome do presidente Trump. Este será um teste para um novo sistema de alerta a ser usado nos EUA em caso de emergências nacionais.

Com os EUA em alerta devido à passagem do furacão Florence pelas Carolinas do Norte e do Sul, o teste está marcado para quinta-feira às 14:18 (menos cinco horas em Lisboa).A essa hora, todos os americanos com telemóvel vão receber a seguinte mensagem: "ISTO É UM TESTE do Sistema de Alerta sem Fios de Emergência Nacional. Não é necessária qualquer ação".

A ideia é garantir que o sistema funciona em caso de emergência nacional.

Lei de 2016

A lei que permite aos presidentes enviar alertas para todos os americanos em caso de emergência nacional foi assinada em 2016 por Barack Obama.

Desde que foi criado, em 2012, o Sistema de Alerta sem Fios de Emergência Nacional já foi usado 36 mil vezes, em casos tão diversos quanto crianças desaparecidas, fenómenos meteorológicos extremos ou catástrofes naturais. Mas nunca transmitiu uma mensagem presidencial. No caso do desaparecimento de crianças ou de catástrofes naturais, os detentores dos telemóveis podem optar por não abrir a mensagem. Tal opção não existe no caso dos alertas presidenciais.

A FEMA já explicou que estes alertas apenas podem ser usados para emergências nacionais, Caberá ao presidente determinar quando é que é esse o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.