George Soros: Presidente chinês Xi Jinping é o inimigo "mais perigoso" das sociedades abertas

O milionário norte-americano George Soros classificou esta sexta-feira o Presidente da China, Xi Jinping, como o inimigo "mais perigoso" das sociedades abertas, face aos avanços do regime chinês na utilização da tecnologia como instrumento repressivo.

Num discurso proferido durante o Fórum Económico Mundial, em Davos, Soros lembrou que, apesar de a China não ser o único regime autoritário do mundo, é o "mais rico, poderoso e tecnologicamente avançado".

"Isto torna Xi Jinping no mais perigoso inimigo das sociedades abertas", disse.

Soros referiu o sistema de crédito social que está a ser desenvolvido pela China e que atribui pontos a cada cidadão segundo o seu comportamento, situação financeira, desempenho profissional ou académico.

O sistema suscitou críticas por se temer que resulte numa evasão de privacidade e em descriminação, ao impedir pessoas com baixa pontuação de acederem a melhores empregos e universidades ou migrarem para cidades mais prósperas.

Soros considerou que, quando se tornar operacional, "dará a Xi controlo total sobre o povo".

O investidor, de 88 anos, cuja fortuna foi feita em apostas em fundos especulativos, incluindo a mais famosa contra a libra esterlina, no início dos anos 1990, costuma usar as suas aparições em Davos para alertar sobre os perigos para a ordem mundial democrática baseada em regras.

No ano passado, criticou as plataformas tecnológicas, o que levou a rede social Facebook a questionar se ele estava a apostar contra o seu valor em bolsa.

Na noite de quinta-feira, Soros detalhou que o seu objetivo era chamar a atenção para a ameaça chinesa.

Um crítico aberto do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Soros considerou que a atual administração norte-americana desenvolveu "uma política coerente" em relação à China.

Trump é "notoriamente imprevisível", afirmou, mas o Governo dos EUA identificou corretamente o regime chinês como um "rival estratégico".

Uma guerra comercial espoletou já entre as duas maiores economias mundiais, com Washington a aumentar as taxas alfandegárias sobre 250 mil milhões de dólares de bens chineses, visando conter as ambições tecnológicas e geopolíticas de Pequim.

No ano passado, quando Xi anunciou o início de uma "nova era" e reforçou o poder interno ao abolir o limite de mandatos para o seu cargo, com o objetivo final de firmar a posição da China como grande potência até meados deste século, Washington definiu o país como a sua "principal ameaça", apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas que ameaça bipolarizar o cenário internacional.

A nova vocação internacionalista da China materializa-se no gigantesco plano de infraestruturas 'uma faixa, uma rota', que visa conectar o sudeste Asiático, Ásia Central, África e Europa, e é vista como uma versão chinesa do 'Plano Marshall', lançado pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial, e que permitiu a Washington criar a fundação de alianças que perduram até hoje.

"A China é um importante ator global. Uma política eficaz, em relação à China, não pode ser reduzida a chavões. Temos de ser muito mais sofisticados, detalhados e práticos; e devemos incluir uma resposta económica norte-americana à iniciativa 'Uma Faixa, Uma Rota'

Soros apelou a uma reação norte-americana à iniciativa chinesa, que segundo ele, foi criada para promover os interesses de Pequim e não dos países recetores dos investimentos, exemplificando com os casos do Sri Lanka, Malásia e Paquistão.

"Os ambiciosos projetos de infraestruturas [da China] eram financiados, sobretudo, através de empréstimos caros, não através de subsídios, e funcionários desses países foram frequentemente subornados para aceitá-los", disse.

"Muitos desses projetos mostraram-se antieconómicos", acusou.

Soros pediu à administração dos EUA que tome medidas mais efetivas para lidar com a ameaça chinesa, inclusive suster os fornecedores de equipamentos de telecomunicações ZTE e Huawei, que, segundo ele, podem representar um risco de segurança "inaceitável" para o resto do mundo.

"A China é um importante ator global. Uma política eficaz, em relação à China, não pode ser reduzida a chavões. Temos de ser muito mais sofisticados, detalhados e práticos; e devemos incluir uma resposta económica norte-americana à iniciativa 'Uma Faixa, Uma Rota', afirmou.

Soros sugeriu que existe uma oposição interna a Xi Jinping, e esperança de mudanças na China.

"Sendo Xi o inimigo mais perigoso da sociedade aberta, devemos depositar as nossas esperanças no povo chinês e, especialmente, na comunidade empresarial e numa elite política disposta a defender a tradição confuciana", disse.

Referências a uma nova Guerra Fria são já comuns entre funcionários chineses e norte-americanos.

No mais simbólico discurso sobre a China da atual administração norte-americana, o vice-presidente Mike Pence acusou o país de "agressão económica", "crescente militarismo", e de recorrer à armadilha do endividamento para fazer avançar os seus interesses nos países em desenvolvimento, "contestando as vantagens geopolíticas dos Estados Unidos e tentando mudar a ordem internacional a seu favor".

"As administrações anteriores ignoraram as ações da China - e, em muitos casos, ajudaram [Pequim]", afirmou. "Mas esses dias chegaram ao fim", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.