George Soros: Presidente chinês Xi Jinping é o inimigo "mais perigoso" das sociedades abertas

O milionário norte-americano George Soros classificou esta sexta-feira o Presidente da China, Xi Jinping, como o inimigo "mais perigoso" das sociedades abertas, face aos avanços do regime chinês na utilização da tecnologia como instrumento repressivo.

Num discurso proferido durante o Fórum Económico Mundial, em Davos, Soros lembrou que, apesar de a China não ser o único regime autoritário do mundo, é o "mais rico, poderoso e tecnologicamente avançado".

"Isto torna Xi Jinping no mais perigoso inimigo das sociedades abertas", disse.

Soros referiu o sistema de crédito social que está a ser desenvolvido pela China e que atribui pontos a cada cidadão segundo o seu comportamento, situação financeira, desempenho profissional ou académico.

O sistema suscitou críticas por se temer que resulte numa evasão de privacidade e em descriminação, ao impedir pessoas com baixa pontuação de acederem a melhores empregos e universidades ou migrarem para cidades mais prósperas.

Soros considerou que, quando se tornar operacional, "dará a Xi controlo total sobre o povo".

O investidor, de 88 anos, cuja fortuna foi feita em apostas em fundos especulativos, incluindo a mais famosa contra a libra esterlina, no início dos anos 1990, costuma usar as suas aparições em Davos para alertar sobre os perigos para a ordem mundial democrática baseada em regras.

No ano passado, criticou as plataformas tecnológicas, o que levou a rede social Facebook a questionar se ele estava a apostar contra o seu valor em bolsa.

Na noite de quinta-feira, Soros detalhou que o seu objetivo era chamar a atenção para a ameaça chinesa.

Um crítico aberto do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Soros considerou que a atual administração norte-americana desenvolveu "uma política coerente" em relação à China.

Trump é "notoriamente imprevisível", afirmou, mas o Governo dos EUA identificou corretamente o regime chinês como um "rival estratégico".

Uma guerra comercial espoletou já entre as duas maiores economias mundiais, com Washington a aumentar as taxas alfandegárias sobre 250 mil milhões de dólares de bens chineses, visando conter as ambições tecnológicas e geopolíticas de Pequim.

No ano passado, quando Xi anunciou o início de uma "nova era" e reforçou o poder interno ao abolir o limite de mandatos para o seu cargo, com o objetivo final de firmar a posição da China como grande potência até meados deste século, Washington definiu o país como a sua "principal ameaça", apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas que ameaça bipolarizar o cenário internacional.

A nova vocação internacionalista da China materializa-se no gigantesco plano de infraestruturas 'uma faixa, uma rota', que visa conectar o sudeste Asiático, Ásia Central, África e Europa, e é vista como uma versão chinesa do 'Plano Marshall', lançado pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial, e que permitiu a Washington criar a fundação de alianças que perduram até hoje.

"A China é um importante ator global. Uma política eficaz, em relação à China, não pode ser reduzida a chavões. Temos de ser muito mais sofisticados, detalhados e práticos; e devemos incluir uma resposta económica norte-americana à iniciativa 'Uma Faixa, Uma Rota'

Soros apelou a uma reação norte-americana à iniciativa chinesa, que segundo ele, foi criada para promover os interesses de Pequim e não dos países recetores dos investimentos, exemplificando com os casos do Sri Lanka, Malásia e Paquistão.

"Os ambiciosos projetos de infraestruturas [da China] eram financiados, sobretudo, através de empréstimos caros, não através de subsídios, e funcionários desses países foram frequentemente subornados para aceitá-los", disse.

"Muitos desses projetos mostraram-se antieconómicos", acusou.

Soros pediu à administração dos EUA que tome medidas mais efetivas para lidar com a ameaça chinesa, inclusive suster os fornecedores de equipamentos de telecomunicações ZTE e Huawei, que, segundo ele, podem representar um risco de segurança "inaceitável" para o resto do mundo.

"A China é um importante ator global. Uma política eficaz, em relação à China, não pode ser reduzida a chavões. Temos de ser muito mais sofisticados, detalhados e práticos; e devemos incluir uma resposta económica norte-americana à iniciativa 'Uma Faixa, Uma Rota', afirmou.

Soros sugeriu que existe uma oposição interna a Xi Jinping, e esperança de mudanças na China.

"Sendo Xi o inimigo mais perigoso da sociedade aberta, devemos depositar as nossas esperanças no povo chinês e, especialmente, na comunidade empresarial e numa elite política disposta a defender a tradição confuciana", disse.

Referências a uma nova Guerra Fria são já comuns entre funcionários chineses e norte-americanos.

No mais simbólico discurso sobre a China da atual administração norte-americana, o vice-presidente Mike Pence acusou o país de "agressão económica", "crescente militarismo", e de recorrer à armadilha do endividamento para fazer avançar os seus interesses nos países em desenvolvimento, "contestando as vantagens geopolíticas dos Estados Unidos e tentando mudar a ordem internacional a seu favor".

"As administrações anteriores ignoraram as ações da China - e, em muitos casos, ajudaram [Pequim]", afirmou. "Mas esses dias chegaram ao fim", concluiu.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.