Português que morreu no Sri Lanka é de Viseu e estava em lua-de-mel

Rui Lucas era técnico de automação e vivia há muitos anos com a mulher com quem se casou na semana passada. "Era uma pessoa com um coração enorme", diz ao DN o chefe do português que morreu no Sri Lanka.

A vítima portuguesa dos ataques no Sri Lanka é um homem, com cerca de 30 anos, natural de Viseu. Rui Lucas, que se tinha casado na semana passada, estava em lua-de-mel no país, hospedado num dos hotéis alvo das explosões que marcaram a manhã do domingo de Páscoa no Sri Lanka.

"Era uma pessoa com um coração enorme, extremamente profissional e muito amigo", disse ao DN Augusto Teixeira, patrão da vítima, destacando que foi "um choque brutal" saber que o português era um dos 207 mortos nas explosões.

Rui Lucas era técnico de automação e energia na empresa T&T Multieléctrica há cerca de uma década e vivia há vários anos com a mulher com quem se casou recentemente. Segundo Augusto Teixeira, tinha viajado para o Sri Lanka no início da semana.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, repudiou os ataques no Sri Lanka e contou que apresentou as condolências à viúva da única vítima portuguesa conhecida até ao momento.

"O meu pensamento vai em especial para a família da vítima portuguesa e já tive a oportunidade de apresentar as condolências à viúva", afirmou, em declarações à agência Lusa.

Em declarações à Lusa ao telefone, José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades, disse já ter falado com a esposa do português que faleceu hoje no Sri Lanka, a quem transmitiu uma mensagem de condolências e deixou os contactos para prestar "o apoio devido e indispensável nesta altura".

De acordo com o secretário de Estado das Comunidades, existem dez portugueses com residência inscrita na Embaixada de Portugal em Nova Deli, e até agora os únicos contactos que o gabinete de emergência teve foi das duas famílias cujos familiares estavam em turismo na ilha.

Em conferência de imprensa na capital Colombo, o porta-voz da polícia, Ruwan Gunasekara, revelou que número de mortos ascende agora a 207, entre os quais vários estrangeiros, um dos quais o português, e o de feridos aos 450.

No total, registaram-se oito explosões no país. A capital, Colombo, foi hoje alvo de ataques em quatro hotéis de luxo e numa igreja. Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra ao leste do país. A oitava e última explosão, até ao momento, teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.