Seis semanas após ser mãe, PM neozelandesa volta ao trabalho

Jacinda Ardern, de 38 anos, é a segunda chefe do governo a ser mãe em funções.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, presidiu esta segunda-feira ao seu primeiro Conselho de Ministros desde que regressou da licença de maternidade. Neve Te Aroha nasceu há seis semanas. A líder neozelandesa, de 38 anos, tornou-se na primeira chefe do governo a ser mãe e a gozar a licença de maternidade em funções.

"As últimas seis semanas foram magníficas não só por causa do nascimento da nossa filha, mas também porque este governo e o povo da Nova Zelândia nos permitiu termos este tempo juntos. É muito, muito bom estar de volta, estar entre vós. Vamos Começar", disse a governante, ao encontrar-se com os seus colegas de governo para o início da reunião do Conselho de Ministros.

Enquanto esteve de licença de maternidade, foi o vice-primeiro-ministro, Winston Peters, quem assumiu os comandos do governo. E agora, regressada ao trabalho, desde a passada quinta-feira, quem ficará a cuidar da filha será o marido Clarke Gayford.

Ardern ainda se encontra a amamentar. Esta segunda-feira não se fez acompanhar da filha. Mas durante os debates no parlamento a bebé poderá ir com a mãe e as duas poderão inclusivamente usar a piscina destinada aos parlamentares.

Membro do Partido Trabalhista, primeira-ministra desde outubro de 2017, Jacinda Ardern tornou-se na segunda mulher a dar à luz em funções. A primeira tinha sido Benazir Bhutto, primeira-ministra do Paquistão, que deu à luz a filha Bakhtawar Bhutto Zardari em janeiro de 1990. Benazir viria a morrer assassinada num atentado em dezembro de 2007.

Quando a governante neozelandesa foi mãe, a filha de Benazir felicitou-a, através do Twitter, partilhando um artigo publicado em fevereiro deste ano pelo irmão, Bilawal Bhutto Zardari, no jornal britânico Guardian: "Parabéns à PM @jacindaardern pelo nascimento da sua filha! Aqui faço um repost mais relevante do que nunca: "Benazir Bhutto provou que se pode ser mãe e primeira-ministra".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.