Olhos de plástico nos peixes. Assim até pareciam frescos

As autoridades sanitárias do Koweit descobriram numa peixaria uma forma de melhorar o aspeto do produto. A loja foi fechada imediatamente.

A "ASAE" do Koweit fez uma descoberta inesperada numa das peixarias do país: peixes com olhos artificiais para melhorar o seu aspeto. A prática tinha como objetivo fazer passar os peixes em exposição por mais frescos do que na realidade era o seu estado.

Para melhorar o visual dos peixes, os proprietários substituíam os olhos já mortiços por bolas de plástico que lhes abrilhantavam o aspeto. No entanto, os elementos do organismo responsável pela vigilância do comércio não consideraram essa melhoria como positiva, nem saudável, e encerraram o estabelecimento de imediato.

A notícia surgiu no jornal árabe Al Bayan, que descreveu a prática da loja e logo surgiram nas redes sociais fotografias de alguns exemplares adulterados, comprovando que o seu novo aspeto era muito mais sedutor que o dos peixes com olhos naturais e, por isso mesmo, mais caros.

Ao tomarem conhecimento da nova forma de vender desta peixaria, as autoridades do Ministério do Comércio destacaram uma brigada para inspecionar a peixaria e agirem em conformidade, encerrando o estabelecimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.