Olhos de plástico nos peixes. Assim até pareciam frescos

As autoridades sanitárias do Koweit descobriram numa peixaria uma forma de melhorar o aspeto do produto. A loja foi fechada imediatamente.

A "ASAE" do Koweit fez uma descoberta inesperada numa das peixarias do país: peixes com olhos artificiais para melhorar o seu aspeto. A prática tinha como objetivo fazer passar os peixes em exposição por mais frescos do que na realidade era o seu estado.

Para melhorar o visual dos peixes, os proprietários substituíam os olhos já mortiços por bolas de plástico que lhes abrilhantavam o aspeto. No entanto, os elementos do organismo responsável pela vigilância do comércio não consideraram essa melhoria como positiva, nem saudável, e encerraram o estabelecimento de imediato.

A notícia surgiu no jornal árabe Al Bayan, que descreveu a prática da loja e logo surgiram nas redes sociais fotografias de alguns exemplares adulterados, comprovando que o seu novo aspeto era muito mais sedutor que o dos peixes com olhos naturais e, por isso mesmo, mais caros.

Ao tomarem conhecimento da nova forma de vender desta peixaria, as autoridades do Ministério do Comércio destacaram uma brigada para inspecionar a peixaria e agirem em conformidade, encerrando o estabelecimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."