Paul Romer: casou de manhã e à tarde recebeu o Nobel da Economia

Em poucas horas Paul Romer viveu em Estocolmo dois dos momentos mais importantes da sua vida.

Paul M. Romer é um verdadeiro economista. E para o provar juntou num só dia aqueles que serão provavelmente os dois momentos mais importantes da sua vida: o casamento e a cerimónia de entrega do prémio Nobel da Economia de 2018.

Romer, que até janeiro foi o economista chefe do Banco Mundial em Washington (EUA) casou na segunda-feira (dia 10) com Caroline Weber, escritora e professora de Literatura Francesa no Colégio Barnard (Columbia), uma cerimónia que teve lugar na Igreja Episcopal ANglicana de St. Peter e St. Sigfrid em Estocolmo (Suécia).

Conta o texto do The New York Times que a noiva estava radiante com o seu vestido azul-turquesa com assinatura de Oscar de La Renta, e o noivo de gravata e fato brancos. Trocaram votos perante o reverendo Nicholas Howe, um padre anglicano, e 16 membros da família, incluindo os pais do casal, bem como cinco dos seis irmãos de Paul Romer.

Horas depois o casal foi recebido no Stockholm Concert Hall (Estocolmo) onde tiveram uma receção diferente, repleta de aplausos e discursos. Foi aqui que Paul Romer recebeu do rei da Suécia, Carlos Gustavo, o diploma e a medalha referente ao prémio Nobel da Economia referente a 2018, distinção que partilhou com o compatriota William Nordhaus.

A Academia Real das Ciências da Suécia reconheceu assim o trabalho que a dupla fez relacionado com algumas das questões mais importantes da atualidade: como criar crescimento económico de longo prazo sustentável, nomeadamente quando se enfrentam alterações climáticas e é necessário definir políticas económicas.

No discurso que fez na segunda-feira, Paul Romer (63 anos) frisou que o Nobel foi "uma surpresa total". Lembrou que estava no apartamento de Greenwich Village (Nova Iorque) com Caroline Weber (49 anos) quando soube que tinha sido distinguido. "Susurrei a Caroline: 'Querida, acabei de ganhar o Nobel da Economia'. Ela acordou de imediato e ficou muito feliz". "Fui um momento único na vida", acrescentou Weber. "Estava absolutamente emocionada por ele".

"A nível pessoal, uma das coisas mais interessantes de ganhar um Nobel é a forma como se consegue fazer feliz as pessoas que se conhece. Desde os colegas na universidade até à mulher que cuida da lavandaria onde levo a minha roupa, até ao porteiro que dá guloseimas aos meus cães, todos estavam felizes por mim", frisou. Concluindo: "Não esperava isso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.