Para Trump, Tim Cook chama-se Tim Apple. Este "adotou" o apelido

Presidente dos Estados Unidos troca apelido pelo nome da famosa empresa. Já o tinha feito com a administradora da Lockheed Martin.

O momento era de alguma informalidade e de descontração, mas não ao ponto de se trocar o apelido do convidado. E este é uma personalidade pela qual o presidente dos Estados Unidos diz ter consideração. Falamos de Tim Cook, o presidente da Apple.

Durante um evento sobre a política de emprego norte-americana, o presidente dos Estados Unidos chamou Tim Apple a Cook após ter agradecido por este ter feito um "grande investimento no país". Veja o momento.

O sucessor de Steve Jobs à frente da empresa de tecnologia não esboçou qualquer reação e Donald Trump também não mostra qualquer hesitação nem que tenha dado conta da gafe.

As redes sociais, onde Donald Trump tem forte presença, amplificaram rapidamente o lapso. O próprio Tim Cook foi na onda e com sentido de oportunidade e de humor alterou o seu nome na conta do Twitter. É agora Tim e o famoso símbolo da Apple, a maçã com a dentada.

(Se usar um computador ou um telemóvel Android para aceder à conta de Cook no Twitter não irá ver o símbolo, pois o ícone só é descodificável através de produtos Apple.)

Não é a primeira vez que durante as funções presidenciais Donald Trump toca o apelido de uma pessoa pelo da empresa que representa. No ano passado, chamou à administradora da Lockheed Martin, Marillyn Hewson, de Marillyn Lockheed. Também na ocasião Hewson e o vice-presidente Mike Pence fizeram de conta que não se aperceberam do lapso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.