Óscar e a bebé Valeria morreram a atravessar o rio para chegar aos EUA

Os corpos do salvadorenho de 25 anos e da bebé Valeria, de 21 meses, foram encontrados na segunda-feira, um dia depois de terem sido descobertos os cadáveres de uma mulher e três crianças na fronteira do Texas com o México.

Óscar Alberto Ramírez, de 25 anos, e a filha Valeria, de 21 meses, perderam a vida a tentar atravessar o rio Grande para entrar nos EUA. Citada pela imprensa mexicana, a mulher de Óscar contou que a água levou primeiro a menina e que o pai saiu em seu auxílio. Ambos acabaram por ser levados pela corrente e desaparecer.

Tal como esta família, natural de El Salvador, muitos tentam cruzar a fronteira do México com os EUA à procura de uma vida melhor.

De acordo com o jornal El Salvador, Óscar, Tania e a bebé saíram de El Salvador no dia 3 de abril rumo aos EUA. Ele deixou o trabalho numa pizzaria, enquanto ela já tinha abandonado o emprego há algum tempo para cuidar da filha.

Rosa Ramírez, mãe de Óscar Alberto, recorda que implorou que não deixassem o país, mas o sonho americano falou mais alto. Segundo declarações da irmã da jovem, o casal estava preocupado com o futuro de Valeria.

Óscar e Tania ficaram num abrigo em Tapachula, no México, durante dois meses, enquanto esperavam pelo pedido de asilo nos EUA. No entanto, desesperados com a lentidão dos procedimentos, decidiram cruzar o rio, juntamente com outros migrantes.

Na segunda-feira, os cadáveres do homem e da criança foram localizados pelas autoridades, que já tinham iniciado as buscas no domingo, assim que foram alertadas para o desaparecimento.

Os corpos encontravam-se junto à berma do rio, entre os galhos, a alguns quilómetros da ponte de Matamoros, que liga o México à cidade de Brownsville, no Texas - e a cerca de dois quilómetros do local onde tinham desaparecido.

De acordo com as imagens que foram divulgadas, o homem terá conseguido alcançar a filha e colocá-la dentro da sua camisola. No entanto, ambos acabaram por morrer.

Tudo indica que pai e filha morreram afogados, mas a Unidade Geral de Investigação ordenou uma investigação para determinar as causas da morte. Como a família não tem muitos recursos financeiros, a preocupação agora prende-se com o repatriamento dos cadáveres para El Salvador, já que as funerárias poderão cobrar 7.500 dólares pelo procedimento.

Perante a tragédia, Enrique Cervantes, presidente do Instituto Tamaulipeco del Migrante, em Matamoros, lamentou as mortes e pediu aos migrantes para não entrarem nas águas do rio Grande, uma vez que a corrente é muito forte. "O rio não ajuda, leva vidas", alertou.

Uma mulher e três crianças mortas

No mesmo dia em que Óscar e a filha foram levados pela corrente, os corpos de uma mulher migrante com cerca de 20 anos e de três crianças foram encontrados na margem do rio Grande, na cidade de McAllen, no Texas.

De acordo com as autoridades, citadas pelo The New York Times, esta não é uma situação comum, já que, embora seja relativamente frequente encontrar cadáveres, não é normal encontrar corpos de crianças ou bebés no lado americano da fronteira.

Sem qualquer sinal de crime, as autoridades acreditam que as mortes terão sido provocadas por desidratação e exposição ao calor. Até segunda-feira, não foi possível confirmar quais as identidades das vítimas ou o país de origem.

Nos últimos meses, milhares de migrantes de El Salvador, Honduras, Cuba e Guatemala entraram no México em caravanas a partir da fronteira no sul do país. Fogem da miséria e da violência.

Dado o aumento dos migrantes e dos pedidos de asilo, no final de maio, o presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou impor taxas alfandegárias sobre todos os produtos mexicanos importados para os EUA caso o México não adotasse medidas para travar a vaga de migrantes.

Já este mês, no dia 7 de junho, os dois países anunciaram um acordo. Para além do envio de forças policiais e militares para as fronteiras do país, o México comprometeu-se a acelerar o regresso ao país de origem dos migrantes, enquanto o seu pedido de asilo for teoricamente analisado nos EUA - onde se estima que existam 11 milhões de ilegais.

Nesta segunda-feira, o México anunciou ter deslocado cerca de 15.000 polícias e militares para a fronteira com os Estados Unidos no âmbito do acordo concluído com Washington para travar a imigração ilegal.

Exclusivos