Um "amigo" na ONU que ajudou à independência de Timor

O ex-Presidente timorense, José Ramos-Horta, prestou este sábado homenagem ao ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, cujo nome será sempre recordado em Timor-Leste por ter conseguido cumprir o seu compromisso de resolver o problema do território.

"Ele cumpriu com o seu compromisso em que disse que queria ver resolvido o conflito em Timor-Leste. Dinamizou a questão nomeando um representante especial, dinamizou encontros trilaterais, com a ONU, a Indonésia e Portugal", recordou Ramos-Horta.

"O nome dele ficará sempre recordado neste país. E espero que o nosso Estado se faça representar no seu funeral ao mais alto nível. Já alertei o Governo para ver como honrar Kofi Annan", disse Horta que enquanto Presidente atribui a Annan o galardão timorense mais alto, a Coroa da Ordem de Timor-Leste.

Recorde-se que coube a Kofi Annan, a poucos minutos das 00:00 de 20 de maio de 2002, entregar formalmente Timor-Leste aos timorenses numa cerimónia que marcou a restauração da independência do país.

Annan tinha supervisionou a assinatura do histórico acordo de 5 de maio de 1999 - entre Portugal e a Indonésia - que permitiu o referendo em que os timorenses escolheram ser independentes.

Horta, que conheceu Annan no início da década de 1980, recorda a sua "seriedade e serenidade" e que logo no seu primeiro discurso disse que queria ver a questão de Timor-Leste resolvida no seu mandato.

O líder histórico timorense deveria ter-se encontrado com Annan no próximo mês de setembro quando participaria, enquanto comissário, na Comissão Global sobre Política da Droga, que era liderada pelo antigo secretário-geral.

Kofi Annan falou pela primeira à população timorense a 27 de agosto de 1999, numa mensagem dias antes do referendo da independência, cujo 16.º aniversário se cumpre no próximo dia 30 de agosto.

"Permitam-me congratular-vos por se terem recenseado em tão grande número, e por terem seguido o processo com muitas paciência, coragem e dedicação ao fim de garantir um futuro melhor para os vossos filhos", refere a mensagem, transmitida em Timor-Leste.

Annan visitou Timor-Leste pela primeira vez ainda antes da independência, em fevereiro de 2000, tendo feito um périplo por Díli e uma visita a Liquiçá, a oeste da capital timorense. "Juntos conseguiremos atravessar a atual crise, abrindo as portas a uma nova era para Timor-Leste. Uma era em que Timor-Leste ocupará o seu lugar entre a família das nações, onde os seus homens, mulheres e crianças possam viver vidas de dignidade e paz", disse no seu primeiro discurso no país.

"Homem corajoso", diz Ana Gomes

A eurodeputada Ana Gomes, antiga embaixadora em Jacarta que acompanhou todo o processo de independência de Timor, considerou Kofi Annan "um homem corajoso e honesto". "Foi uma honra para mim trabalhar consigo, nomeadamente no Iraque sob ataque dos EUA e no processo de libertação/independência de Timor Leste. Portugal curva-se perante si", diz a socialista.

E de Timor tornaram-se públicas várias reações de consternação e palavras de apreço pelo antigo secretário-geral das Nações Unidas. O ex- primeiro-ministro Mari Alkatiri considerou que "fundamentalmente perdemos um grande amigo e um grande líder africano e global". Alkatiri disse que apesar de estar fora do Governo defende que se honre Annan com uma presença de um representante de alto nível de Timor-Leste no seu funeral.

Já o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense considera que se perdeu não só um amigo de Timor-Leste, mas "um grande líder, um grande homem, uma pessoa visionaria, que tinha muita paixão pela paz, liberdade e direitos humanos". Para Dionísio Babo, "durante o seu trabalho como secretário-geral deu maior atenção aos povos oprimidos que ainda continuam à procura da sua liberdade e independência".

"Queria apresentar as minhas profundas condolências em meu nome e de todo o Governo. O Governo irá fazer a sua mensagem oficial na segunda-feira e discutirá o mais cedo possível a representação de Timor-Leste nas cerimónias fúnebres", disse Babo.

Ler mais

Exclusivos