Um "amigo" na ONU que ajudou à independência de Timor

O ex-Presidente timorense, José Ramos-Horta, prestou este sábado homenagem ao ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, cujo nome será sempre recordado em Timor-Leste por ter conseguido cumprir o seu compromisso de resolver o problema do território.

"Ele cumpriu com o seu compromisso em que disse que queria ver resolvido o conflito em Timor-Leste. Dinamizou a questão nomeando um representante especial, dinamizou encontros trilaterais, com a ONU, a Indonésia e Portugal", recordou Ramos-Horta.

"O nome dele ficará sempre recordado neste país. E espero que o nosso Estado se faça representar no seu funeral ao mais alto nível. Já alertei o Governo para ver como honrar Kofi Annan", disse Horta que enquanto Presidente atribui a Annan o galardão timorense mais alto, a Coroa da Ordem de Timor-Leste.

Recorde-se que coube a Kofi Annan, a poucos minutos das 00:00 de 20 de maio de 2002, entregar formalmente Timor-Leste aos timorenses numa cerimónia que marcou a restauração da independência do país.

Annan tinha supervisionou a assinatura do histórico acordo de 5 de maio de 1999 - entre Portugal e a Indonésia - que permitiu o referendo em que os timorenses escolheram ser independentes.

Horta, que conheceu Annan no início da década de 1980, recorda a sua "seriedade e serenidade" e que logo no seu primeiro discurso disse que queria ver a questão de Timor-Leste resolvida no seu mandato.

O líder histórico timorense deveria ter-se encontrado com Annan no próximo mês de setembro quando participaria, enquanto comissário, na Comissão Global sobre Política da Droga, que era liderada pelo antigo secretário-geral.

Kofi Annan falou pela primeira à população timorense a 27 de agosto de 1999, numa mensagem dias antes do referendo da independência, cujo 16.º aniversário se cumpre no próximo dia 30 de agosto.

"Permitam-me congratular-vos por se terem recenseado em tão grande número, e por terem seguido o processo com muitas paciência, coragem e dedicação ao fim de garantir um futuro melhor para os vossos filhos", refere a mensagem, transmitida em Timor-Leste.

Annan visitou Timor-Leste pela primeira vez ainda antes da independência, em fevereiro de 2000, tendo feito um périplo por Díli e uma visita a Liquiçá, a oeste da capital timorense. "Juntos conseguiremos atravessar a atual crise, abrindo as portas a uma nova era para Timor-Leste. Uma era em que Timor-Leste ocupará o seu lugar entre a família das nações, onde os seus homens, mulheres e crianças possam viver vidas de dignidade e paz", disse no seu primeiro discurso no país.

"Homem corajoso", diz Ana Gomes

A eurodeputada Ana Gomes, antiga embaixadora em Jacarta que acompanhou todo o processo de independência de Timor, considerou Kofi Annan "um homem corajoso e honesto". "Foi uma honra para mim trabalhar consigo, nomeadamente no Iraque sob ataque dos EUA e no processo de libertação/independência de Timor Leste. Portugal curva-se perante si", diz a socialista.

E de Timor tornaram-se públicas várias reações de consternação e palavras de apreço pelo antigo secretário-geral das Nações Unidas. O ex- primeiro-ministro Mari Alkatiri considerou que "fundamentalmente perdemos um grande amigo e um grande líder africano e global". Alkatiri disse que apesar de estar fora do Governo defende que se honre Annan com uma presença de um representante de alto nível de Timor-Leste no seu funeral.

Já o ministro dos Negócios Estrangeiros timorense considera que se perdeu não só um amigo de Timor-Leste, mas "um grande líder, um grande homem, uma pessoa visionaria, que tinha muita paixão pela paz, liberdade e direitos humanos". Para Dionísio Babo, "durante o seu trabalho como secretário-geral deu maior atenção aos povos oprimidos que ainda continuam à procura da sua liberdade e independência".

"Queria apresentar as minhas profundas condolências em meu nome e de todo o Governo. O Governo irá fazer a sua mensagem oficial na segunda-feira e discutirá o mais cedo possível a representação de Timor-Leste nas cerimónias fúnebres", disse Babo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.